ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

terça-feira, 15 de maio de 2012

FORÇA TAREFA RECEBE INSTRUÇÃO DE TIROS

 
 
ZERO HORA - 15 de maio de 2012 
 

FORÇA-TAREFA EM AÇÃO

 

PMs receberão instrução de tiros

Os 200 PMs do Interior que estão na Capital e Região Metropolitana para combater homicídios serão submetidos a instrução de tiros a partir de hoje. Em estandes de tiros da Brigada Militar, cada policial poderá disparar revólveres ou pistolas 50 vezes contra os alvos.

Como atuam em realidades completamente diferentes da existente nos grandes centros urbanos, que registram altos índices de assassinato, roubo de veículos e a estabelecimentos comerciais, eles foram submetidos a dois dias e meio de treinamento antes de entrar em atividade. O objetivo é tornar o grupo o mais homogêneo.

– Eles participaram de palestras, familiarizaram-se com o nosso operacional de comunicação, tiveram aulas de abordagem e de barreiras – diz o comandante de Policiamento da Capital, tenente-coronel Paulo Stocker.

Hoje, reunidos em grupos de 25 PMs, eles serão submetidos a uma sessão de 50 tiros.

Ontem, ZH revelou que parte dos PMs vindos do Interior usa revólveres 38 – a maioria dos policiais lotados na Capital e na Região Metropolitana porta pistolas .40, capazes de disparar até 12 tiros de forma automática.

Para o tenente-coronel Stocker, PMs que usam revólveres não estão em desvantagem em relação aos que carregam pistolas na cintura.

– Eu, particularmente, sempre preferi revólver. O importante não é a quantidade, mas sim a qualidade dos tiros – pondera Stocker.

Comandante do Policiamento na Região Metropolitana, coronel Silanus Mello também acredita que as diferentes realidades não tornam soldados interioranos mais vulneráveis.

– Não vejo que a vinda deles para cá represente um risco adicional. Além disso, eles trabalham em grupo – diz.

Segundo o comando da corporação, todos os policiais são submetidos a reciclagens anuais de 50 horas aula em Cursos de Formação Profissional.