ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

terça-feira, 29 de maio de 2012

ATRÁS DAS GRADES A MANDANTE DA MORTE DE POLICIAL

zero hora - 29 de maio de 2012

Mandante da morte de policial volta para a cadeia

Mulher que havia sido solta após confessar crime foi encontrada em uma clínica de recuperação - EDUARDO TORRES


Terminaram por volta das 10h de ontem as buscas a Odete Bortolini, 54 anos, apontada pela polícia como mandante da execução do policial civil aposentado Ari Schuck, 60 anos, há uma semana, em Cachoeirinha. A prisão preventiva havia sido decretada pela Justiça na sexta-feira. Ela foi encontrada por agentes da 1ª DP de Cachoeirinha em uma clínica de recuperação de saúde no bairro Igara, em Canoas.

De acordo com o delegado Rafael Liedtke, a mulher teria sido internada no local pela família desde que teve a sua soltura determinada, na quarta-feira passada. Odete havia sido presa em flagrante um dia antes, horas depois do assassinato do policial. Namorada da vítima, a mulher confessou participação no crime. Como tem residência fixa e não tinha antecedentes criminais, recebeu liberdade.

Na quinta-feira, a polícia solicitou a prisão preventiva, concedida na sexta. Naquele mesmo dia, agentes fizeram buscas sem sucesso. E, então, ela passou a ser considerada procurada. Ontem, a mulher nem prestou depoimento e foi encaminhada novamente à Penitenciária Madre Pelletier.

– Como já temos a confissão dela e os depoimentos dos dois executores, há elementos suficientes para os indiciamentos por homicídio triplamente qualificado e roubo – afirmou o delegado.

Com a prisão, a polícia considera o caso encerrado.

Suspeita é de que assassinato tenha motivação patrimonial

Na última quinta-feira, dois jovens de 19 e 20 anos foram presos e confessaram terem executado o crime a mando de Odete. Conforme a investigação policial, eles teriam recebido da mulher R$ 500 de adiantamento e ganhariam, no total, R$ 10 mil para matar o policial civil aposentado.

Em depoimento no dia do crime, Odete, conforme a polícia, afirmou ter contratado homens somente para retirar o revólver calibre 38 que estava no cofre da casa. Algo que não foi convincente para os investigadores. A principal suspeita é de que o assassinato teria motivações patrimoniais.

O casal teria vivido junto por sete anos, até 2008. Naquele ano, Odete teria começado a exigir que Schuck reconhecesse a união estável. Ela entrou com uma ação judicial requerendo essa condição e a divisão dos bens.


Entenda o caso
- Ari Schuck foi morto por volta das 2h do dia 22. Ele foi asfixiado com um cinto, teve o dedo mínimo arrancado. O revólver calibre 38 dele foi levado.
- Na noite de quarta, dia 23, a namorada dele, Odete Bortolini, confessou que o crime foi encomendado com o intuito de roubar o revólver calibre 38 que Schuck guardava no cofre. Suposto motivo: o pânico de armas que sentia. Naquela noite ela recebeu voz de prisão e foi levada à Penitenciária Feminina Madre Pelletier.
- Na quarta-feira, Odete foi solta por ordem da Justiça por ter residência fixa e não ter antecedentes criminais.
- Na quinta-feira, dois homens foram presos e confessaram que o crime havia sido encomendado por Odete.
- Na sexta-feira, a Justiça determinou a prisão preventiva de Odete. Os policiais da 1ª DP de Cachoeirinha fizeram buscas por ela, mas não a encontraram, e a mulher passou a ser considerada foragida pela polícia. Odete só foi locallizada ontem.