ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quinta-feira, 3 de maio de 2012

ESCORREGADIO DIÁLOGO COM A FAMÍLIA BRIGADIANA

WANDERLEY SOARES, O SUL, Porto Alegre, Quinta-feira, 03 de Maio de 2012.

De outra banda, não está nada fácil o escorregadio diálogo de Tarso Genro, hoje em terras europeias, com a família brigadiana. Veiculo a posição de dois segmentos da corporação. Sigam-me.

Brigadianos (1)

"A Asstbm (Associação dos Sargentos, Subtenentes e Tenentes da Brigada Militar) vem a público manifestar repúdio ao governo Tarso Genro, que com propostas maquiavélicas está ampliando o abismo salarial já existente na BM. Governo que manipula em seu favor entidades de classe que não representam a maioria, mas decidem em nome desta. Cabe esclarecer à sociedade gaúcha que estamos sendo submetidos ao mais cruel e ingrato tratamento, pois o governo em nenhum momento negociou igualitariamente com o conjunto dos brigadianos. Apenas impôs suas posições com um falso projeto de retorno da verticalidade. Denunciamos à população gaúcha o descaso do Governo atual para com a segurança pública e conclamamos a todos os servidores de nível médio da BM para contatarem os deputados de suas regiões, a fim de que não seja aprovada, a proposta que recupera e estabiliza os salários dos servidores de nível superior, mas que aumenta ainda mais o fosso entre os níveis da BM." O manifesto é assinado pelo presidente da entidade, Aparício Santellano.

Brigadianos (2)

A Abamf, entidade que representa os cabos e soldados da Brigada Militar, insistiu com o governo na mudança dos índices da verticalidade, mas o Executivo alega que a proposta apresentada é irrecusável. O resultado disso será a mobilização dos brigadianos a fim de mudar os números da proposta. O objetivo é chegar ao índice inicial de 30% para soldado e manter 5% de diferença entre as graduações. Para o presidente Leonel Lucas, "os 23% do salário de um coronel em 2014 manterá os salários da base da corporação como os piores do Brasil entre as Polícias Militares: soldado com salário inicial de R$ 2.206,00". Segundo Lucas, neste mês de maio, por exemplo, o salário inicial de um soldado paranaense passa a ser de R$ 3.200,00. Pela proposta do Executivo, nem em 2014 os brigadianos alcançarão esse valor no vencimento.