ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sexta-feira, 19 de julho de 2013

POLICIAIS RECLAMAM DA NECESSIDADE DOS BICOS

REDE BOM DIA 18/07/2013 07:20

Cidades querem mais PMs, mas eles afirmam serem obrigados a recorrer a dupla jornada de trabalho

MARCELO MELO


No dia em que o secretario estadual de Segurança, Fernando Grella, estará reunido com os prefeitos do ABCD para ouvir solicitações como o aumento de efetivo da corporação, os policiais que já trabalham na região possuem reclamações bem diferentes. Segundo PMs ouvidos pelo BOM DIA, os chamados bicos se tornaram essenciais, o que acarreta uma rotina ainda mais pesada do que o exercício da função.

“Sou casado e tenho três filhos, o salário que recebo não é o suficiente para pagar todas as contas e dar uma boa educação para as crianças”, afirmou um soldado da PM de São Bernardo, que também trabalha como segurança em uma casa noturna da cidade e que preferiu não se identificar.

Outro policial com cerca de dois anos de serviços prestados em Santo André, também relatou a mesma dificuldade de seu colega, ao criticar o plano de carreira da polícia. “Sei da necessidade de experiência para subir de cargo, mas tudo depende de concursos. Não tenho tempo para me preparar se trabalho sempre em outros lugares”, relatou.

Insegurança/ Outro ponto repassado pelos policiais além do cansaço provocado pela dupla rotina de trabalho é o risco constante de se trabalhar em bares e danceterias, como segurança.

“Normalmente, arranjamos este tipo de trabalho, o que nos expõe a encontrar com algum criminoso que já prendemos o que só aumenta o nosso stress”, relatou um dos PMs entrevistados.

Programa pode aumentar salário em mais de 50%

A reclamação dos policiais faz referência à falta do programa Atividade Delegada nas cidades do ABCD, iniciativa que estabelece convênio entre as prefeituras e a SSP (Secretaria de Segurança Pública), com o objetivo de que os PM´s possam auxiliar o município em suas horas de folga, por no máximo 12 dias por mês, com carga horária de até oito horas, o que, segundo a SSP, pode incrementar em até R$1.200 o salário dos policiais, que inicialmente gira em torno de R$2.200.

A preferência, no entanto, por investimentos na Guarda Civil Municipal é um dos principais motivos da não implantação do programa nas cidades da região. O item fará parte da conversa.