ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sexta-feira, 19 de julho de 2013

DENARC SERÁ REESTRUTURADO PARA AUMENTAR FISCALIZAÇÃO DE POLICIAIS

R7 - 19/7/2013 

Reestruturação do Denarc vai aumentar fiscalização de policiais, diz diretor. Departamento passa por mudanças após operação que prendeu investigadores e delegados

Fernando Mellis, do R7



Secretário de Segurança Pública anunciou, na quarta-feira (17), mudanças no DenarcClayton de Souza/Estadão Conteúdo – 15/7/2013

As mudanças que o Denarc (Departamento Estadual de Investigações sobre Narcóticos) deverá passar, após a operação que prendeu policiais por envolvimento com o tráfico de drogas no começo desta semana, deverão incluir mais rigor na fiscalização do trabalho dos agentes. O diretor do departamento, Marco Antonio Pereira Novaes de Paula, falou ao R7 que a reestruturação está sendo feita para “não ter possibilidade de se repetirem os fatos”.

— O objetivo é controlar, é fiscalizar. Problemas com órgãos de investigação de narcóticos são no mundo inteiro. Tem muito dinheiro em jogo. Então, é muito difícil de controlar. A única forma é evitando as brechas, impedindo as possibilidades. É nesse sentido que tem que caminhar essa reestruturação.

Uma das possibilidades estudadas é limitar o poder de investigação do departamento apenas para a área da capital paulista. No entanto, o diretor do Denarc disse que ainda não é certo que isso será feito e que “só essa medida não resolve nada”.

— Se o cara [policial] quiser fazer errado, ele faz no interior, na capital, na macro São Paulo.

A reestruturação do Denarc foi anunciada na quarta-feira (17) pelo secretário de Segurança Pública, Fernando Vieira Grella, após reunião com o governador Geraldo Alckmin. As mudanças, de acordo com ele, serão comunicadas em dez dias.

A operação

A Corregedoria da Polícia Civil e o MP-SP (Ministério Público de São Paulo) desarticularam a quadrilha de policiais do Denarc suspeitos de roubo, corrupção e extorsão mediante sequestro. As investigações indicaram que os agentes recebiam propina de até R$ 300 mil de traficantes de drogas na capital e na região de Campinas.

O promotor José Tadeu Baglio ouviu na quarta-feira os depoimentos de dois delegados envolvidos no esquema, Clemente Castilhone Júnior, da Unidade de Investigações, e Fábio Amaral de Alcântara, da 3ª Delegacia de Apoio.

— Os depoimentos aumentaram as convicções do Ministério Público de que houve vazamento de informações no Denarc.

Castilhone Júnior e Alcântara teriam fornecido informações a traficantes sobre a invasão da favela do São Fernando — um dos principais pontos de venda de drogas de Campinas, comandado por Wanderson Nilton de Paula Lima, o Andinho, que está preso em Presidente Venceslau. Os dois negaram que passaram detalhes da operação policial a criminosos.

Outros dois policiais do 10º Distrito Policial de Campinas também foram chamados para depor, mas ficaram calados. O advogado Ralph Tórtima Sttetinger Filho questionou a validade do depoimento de Andinho usado para incriminar os agentes.

— É a palavra de um delator traficante contra policiais com histórico de combate ao tráfico.

Prisões

A Justiça concedeu, na noite de quinta-feira (18), liberdade ao delegado Clemente Castilhone Júnior. Com isso, oito policiais permaneciam presos por suspeita de envolvimento no esquema criminoso, incluindo o outro delegado. Quatro agentes continuavam foragidos.