ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

terça-feira, 16 de julho de 2013

BM APURA AÇÃO QUE RESULTOU EM MORTE DE JOVEM

ZERO HORA 16 de julho de 2013 | N° 17493

BRIGA E TIRO. BM apura ação de PM em morte de jovem


O Comando Regional da Brigada Militar abriu um inquérito para investigar a morte de um jovem na madrugada de domingo em Santa Clara do Sul, no Vale do Taquari. Lorran Rodrigues Diniz, 19 anos, foi atingido com um tiro na perna, disparado por um policial militar em serviço.

Em depoimento, o PM, que não teve o nome divulgado pela polícia, afirmou que passava pelo centro da cidade quando ouviu três homens gritarem, por volta das 3h30min. Segundo o comandante regional da Brigada Militar, coronel Antônio Scussel, o policial parou a viatura e ouviu xingamentos. Lorran e os dois amigos teriam se envolvido em uma briga com o PM, que teria utilizado spray de pimenta para afastar os três.

Ainda conforme o coronel Scussel, após chamar outra viatura, o policial recebeu um golpe no pescoço, chamado de “gravata”, e atirou contra Lorran. O tiro atingiu a artéria femoral da perna. O jovem foi encaminhado ao Hospital Bruno Born, em Lajeado, mas morreu por volta das 9h50min.

– Abrimos um inquérito para averiguar os fatos. Já foram adotadas medidas, como a apreensão da arma do policial e o spray, e a solicitação de exames de necropsia. Não vamos pré-julgar, precisamos investigar – disse o comandante.

Encarregado pelo inquérito policial-militar (IPM), o capitão Fabiano Henrique Dorneles ouviria ainda ontem os dois jovens envolvidos no incidente. Eles foram encaminhados a uma delegacia da Polícia Civil no domingo, mas foram liberados e deverão responder em liberdade por desacato e lesão corporal.

De acordo com o comandante, o PM que teria atirado contra Lorran foi transferido para outra cidade. O IPM deve ser concluído em 40 dias. A vítima era natural de São Gabriel.