ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

terça-feira, 30 de julho de 2013

DELEGADOS DO DENARC-SP PROTESTAM CONTRA O MP E PRISÃO DE COLEGAS

ZERO HORA 30 de julho de 2013 | N° 17507

EMBATE COM O MP. Delegados do Denarc paulista fazem protesto


Uma comissão de delegados foi recebida por assessores do gabinete do procurador-geral de Justiça de São Paulo, no fim da tarde de ontem, no centro da capital paulista.

A reunião durou cerca de 30 minutos e aconteceu após uma passeata de policiais civis contra a prisão de delegados e investigadores do Departamento Estadual de Repressão ao Narcotráfico (Denarc).

Segundo os delegados, a promotoria se comprometeu em se aproximar dos representantes da Polícia Civil.

Durante o protesto, cerca de 200 delegados e policiais civis caminharam pelas ruas da região central de São Paulo. A principal pauta do protesto foi a operação que prendeu, no último dia 15 de junho, policiais do Denarc.

Entre os presos estava Clemente Calvo Castilhone Júnior, delegado chefe do setor de investigações do departamento. Segundo os delegados, as prisões foram ilegais e sem provas. Castilhone foi liberado três dias depois.

– Queremos mostrar nossa indignação e revolta com a prisão de inocentes e com atos ilegais do Ministério Público – disse Marilda Pinheiro, presidente da Associação dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo.

No total, foram presos dois delegados, nove policiais e ex-policiais do Denarc e dois investigadores do 10º Delegacia da Polícia Civil de Campinas.