ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

CASO ACIOLI - PM ASSASSINO É CONDENADO

ZERO HORA 05 de dezembro de 2012 | N° 17274

EXECUÇÃO DE JUÍZA. Matador condenado a 21 anos de prisão


O cabo Sérgio Costa Júnior, acusado de ter participado do assassinato da juíza Patrícia Acioli, no ano passado, foi condenado a 21 anos de prisão por formação de quadrilha e homicídio triplamente qualificado. Beneficiado pela delação premiada, o policial militar foi julgado separadamente dos outros 10 réus e teve pena reduzida.

Em função da colaboração, a pena de Costa passou de 36 anos para 21 anos.

Pela manhã, após ser interrogado, Costa olhou para os jurados e falou:

– Façam justiça. Infelizmente, tive cabeça fraca. Me deixei levar pela emoção e fiz o que fiz. Mas desde o primeiro momento me arrependi com a desgraça que fiz com minha família e com a família dela (Patrícia). Acredito muito na Justiça. Façam justiça comigo.

Durante o julgamento, Costa deu detalhes do motivo, do planejamento e da execução do crime. Conforme o PM, Patrícia assinou sua sentença de morte quando, em 11 de agosto do ano passado, decretou a prisão de seis PMs do batalhão de São Gonçalo – ele inclusive – no processo que investigava a morte de Diego Belini, 18 anos. Outros dois PMs do batalhão já estavam presos.

Magistrada detectou grupo de extermínio

O crime ocorreu em 3 de junho, numa favela em São Gonçalo. O caso foi inicialmente registrado como auto de resistência (morte de suspeito em confronto com a polícia), mas, após investigações, Patrícia concluiu que o rapaz foi executado.

– Havia rumores de que ou a juíza ia soltar os dois policiais que estavam presos desde junho, ou então ia decretar a prisão de nós seis. Quando ela assinou a prisão, foi a gota d’água – afirmou o réu.

Indagado pelo juiz sobre o motivo que o levou a desferir 18 tiros contra a juíza, Costa Júnior disse que “não tinha visão da vítima dentro do carro, que tinha película escura , além disso, era noite e a rua tinha pouca iluminação”.

Mais adiante, na fase de debates entre acusação e defesa, os ânimos se exaltaram quando o promotor Leandro Navega e o defensor público Jorge Mesquita trocaram farpas no plenário do júri.