ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sábado, 8 de dezembro de 2012

BANDIDOS MATAM MAIS UM POLICIAL DA UPP DO ALEMÃO


Foi o segundo agente morto em menos de 48 horas na comunidade

FÁBIO VASCONCELOS
O GLOBO :8/12/12



Local onde PM da UPP do Alemão foi assassinado na madrugada deste sábado

FERNANDO QUEVEDO / O GLOBO


RIO - O policial militar da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) das favelas da Fé e Sereno, no Complexo da Penha, Alexandre Antônio Barbosa foi morto por bandidos na Rua Santa Mariana, em Higienópolis, na noite desta sexta-feira. Há informações de que ele teria dado apoio aos PMs que trocaram tiros com bandidos horas antes na Favela Nova Brasília, no Complexo do Alemão. No confronto, dois supostos bandidos foram mortos.

Antônio Barbosa foi assassinado ao parar com o seu Meriva branco numa padaria na Rua Santa Mariana, acompanhado da sua namorada. Ele ainda estava dentro do carro quando bandidos pararam ao lado do veículo e fizeram pelo menos quatro disparos. O policial chegou a ser levado para o Hospital Federal de Bonsucesso, mas não resistiu aos ferimentos. Sua namorada não foi atingida.

Foi o segundo agente da UPP do Alemão morto em 48 horas, e o caso será investigado pela Divisão de Homicídios. A polícia quer saber se a morte do PM foi uma tentativa de roubo de carro ou em represália ao tiroteio da Favela Nova Brasília.

Na madrugada de quarta-feira outro PM da UPP foi morto, desta vez na Favela Nova Brasília. Fábio Barbosa da Silva, de 36 anos, foi baleado quando o agente fazia patrulhamento de rotina na localidade conhecida como Areal, na Fazendinha. Ele foi atingido na cabeça. Ele chegou a ser levado para o hospital, mas morreu no dia seguinte.

Segundo a polícia, Fábio estava na companhia de outros seis PMs, quando foi surpreendido por bandidos armados, que atiraram contra o grupo. Ele foi levado em estado grave para a UPA do Alemão, depois transferido para o Hospital Getúlio Vargas. Como não havia neurocirurgião de plantão, o PM foi levado para o Hospital Central da Polícia Militar, onde passou por cirurgia que durou cerca de duas horas, para a retirada de uma bala 9mm que estava alojada próximo à nuca do policial.

A falta de luz na favela da Fazendinha pode ter prejudicado a visibilidade do cabo. A afirmação foi feita pelo comandante da Coordenadoria de Polícia Pacificadora (CPP), coronel Rogério Seabra, que disse ainda que são constantes os problemas de falta de energia na região, uma das áreas que ainda enfrentam resistência por parte de traficantes, mesmo depois da ocupação do Alemão ter completado dois anos.

Antônio Barbosa foi o terceiro policial militar a ser morto no Complexo do Alemão depois da pacificação. Em julho, a policial militar Fabiana Aparecida de Souza, de 30 anos, foi morta por um tiro de fuzil durante um ataque de 12 traficantes à sede da UPP na Favela Nova Brasília. Casos de violência acontecem com certa frequência na comunidade, mesmo com a presença da polícia. No dia 16 daquele mês, uma troca de tiros entre bandidos e policiais da UPP da Fazendinha assustou moradores duas vezes em menos de 24 horas. Os conflitos aconteceram poucos dias depois da saída do Exército e a implantação de quatro UPPs do Alemão.