ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

PF EM GREVE SUSPENDE INVESTIGAÇÕES

17/09/2012 11h12

Policiais federais em greve no RS suspendem serviços de inteligência. Investigações de tráfico de drogas, por exemplo, estão suspensas. Plantões, ocorrências em flagrante e custódia de presos funcionam.

Do G1 RS



Em greve deflagrada em agosto, agentes, escrivães e papiloscopistas que realizam os serviços de inteligência na Polícia Federal do Rio Grande do Sul decidiram suspender também as investigações de crimes financeiros, desvio de verbas públicas, corrupção, tráfico de drogas, entre outras, como informa o Sindicato dos Policiais Federais do Rio Grande do Sul (Sinpef-RS).

A suspensão começou a valer nesta segunda-feira (17), mas um ato simbólico com a entrega de fones de ouvidos, principal instrumento de trabalho do setor de inteligência, será realizado às 11h de terça-feira (18), na Superintendência da Polícia Federal, em Porto Alegre.

Não será mais realizada, segundo o sindicato, a análise de monitoramento telefônico, que dá suporte a operações policiais e alimenta os núcleos operacionais das delegacias, viabilizando a elucidação de crimes de grande repercussão social, a exemplo do Mensalão. Também não são realizados os serviços de atendimento ao público, como oitivas, porte de arma, atendimento a estrangeiros, controle de empresas de vigilância, bancos e produtos químicos.

"Toda a parte de inteligência é feita pelos agentes, nós pedimos a reestruturação da carreira, não fomos atendidos, então decidimos parar", disse ao G1 o presidente do Sinpef-RS e diretor de Estratégia Sindical da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef), Paulo Paes. Segundo ele, delegados e peritos podem executar algumas funções com maior urgência.

A emissão de passaportes continua apenas para casos emergenciais. A categoria mantém em funcionamento apenas os plantões, as ocorrências em flagrante e custódia de presos.

Manifestação em Rio Grande

Cerca de 100 agentes da Polícia Federal que atuam em Porto Alegre e em delegacias do interior do estado estão na manhã desta segunda em Rio Grande para chamar a atenção da presidente Dilma Rousseff. Segundo Paulo Paes a manifestação foi pacífica. "Pedimos que a presidente salve a PF, ela viu o nosso protesto", contou. Dilma está na cidade do Sul do Rio Grande do Sul para visita as obras do polo naval.