ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

JUSTIÇA ANULA ESCUTAS DA PF

 
FOLHA.COM 12/09/2012 - 11h18

Justiça anula escutas da PF que investigou ex-presidente da Valec

FERNANDO MELLO
DE BRASÍLIA

A Terceira Turma do Tribunal Regional Federal da Primeira Região (TRF-1) anulou todas as escutas telefônicas da Operação Trem Pagador, da Polícia Federal. A operação investigou e chegou a prender José Francisco das Neves, o Juquinha, ex-presidente da Valec, estatal responsável pelas ferrovias.

Segundo a decisão, o tribunal também considerou ilícitas "as provas derivadas dessas interceptações, direta ou indiretamente determinando sua retirada dos autos, imediatamente". A decisão foi tomada a partir de um habeas corpus impetrado pela defesa de Juquinha.

"Hoje vivemos o mundo da espetacularização da Polícia Federal e Procuradoria. O tribunal considerou que as escutas foram renovadas sem justificativa e por isso foram ilegais. Isso prejudicou quem trabalha pelo Brasil", disse o advogado Heli Dourado, que defende Juquinha.

A PF prendeu Juquinha em julho. Batizada de Trem Pagador, a operação foi realizada em conjunto com o Ministério Público Federal e teve como foco identificar o patrimônio considerado suspeito de Juquinha e de familiares, que chega a R$ 60 milhões. Foram confiscados 15 imóveis, dentre eles três mansões avaliadas em R$ 10 milhões e uma fazenda avaliada em R$ 8 milhões.

Segundo a Procuradoria, a suspeita era de que os bens foram utilizados para supostamente lavar recursos desviados da Valec no período em que ele chefiou a estatal (2003 a 2011). Juquinha negou todas as acusações.