ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

USO DE VIATURAS OFICIAIS

ZERO HORA 30 de janeiro de 2014 | N° 17689

Sem punição para policiais


Em abril de 2012, veículos oficiais foram flagrados no aniversário do chefe da Polícia Civil, na Capital



O uso de viaturas oficiais por parte de delegados e agentes que estiveram na festa de aniversário do chefe da Polícia Civil, Ranolfo Vieira Júnior, em abril de 2012, não resultou em punição aos envolvidos. Apurada pela Corregedoria-geral, a ação registrada por uma equipe de Zero Hora não foi considera irregular.

Ocaso aconteceu na comemoração dos 46 anos do delegado, há quase dois anos. Na época, foram flagradas no estacionamento da Associação Atlética Banco do Brasil (AABB), na zona sul da Capital, 19 viaturas – cinco preto e branco e 14 em cores variadas, sem o logotipo da corporação, as chamadas viaturas discretas.

Por ordem da Secretaria da Segurança Pública (SSP), a Polícia Civil investigou a possível apropriação dos veículos para fins particulares. O delegado Paulo Grillo, titular da Delegacia de Feitos Especiais da Corregedoria-geral da Polícia (Cogepol), diz que o caso foi encerrado cerca de dois meses depois do fato e que apenas uma das explicações não o convenceu.

– Investiguei uma por uma (viatura) e falei com os responsáveis. Só um (delegado) que não me convenceu, e instauramos uma sindicância, porém houve prescrição de tempo e, por essa razão, não houve aplicação de advertência – afirma Grillo.

Os demais motoristas ou policiais justificaram o uso das viaturas para ir até a festa de aniversário. Grillo comenta que eles tinham autorização para ficar com o veículo naquele período e que as viaturas não estavam sendo usadas como carros particulares.

– As viaturas existem para ser utilizadas em objeto de serviço. Ocorre que a polícia, a rigor, trabalha em tempo integral. Tem órgãos especializados cujo serviço não cessa. Por isso, muitas vezes, os policiais ficam de posse do veículo – exemplifica.

Outros órgãos, como o Ministério Público de Contas, acabaram não investigando a denúncia.


RELEMBRE O CASO

- Na noite do dia 19 de abril, o chefe de Polícia, Ranolfo Vieira Júnior, comemorou seu aniversário de 46 anos com uma festa em um clube da zona sul da Capital.

- Durante as cinco horas do jantar, na sede de Associação Atlética Banco do Brasil ( AABB), pelo menos 19 viaturas – cinco preto e branco e 14 discretas – foram empregadas.

- Zero Hora apurou que delegados e agentes de cidades como Santa Maria, na Região Central, e Montenegro, no Vale do Caí, utilizaram veículos oficiais sem logotipo. A maior parte dos carros da corporação empregados nos deslocamentos era de Porto Alegre e da Região Metropolitana.