ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

POLICIAIS AFIRMAM TEREM CAÍDOS NUMA ARMADILHA

ZERO HORA 28 de janeiro de 2014 | N° 17687

AGENTES PRESOS

CARLOS WAGNER


Polícia segue rastros de celulares. Quebra do sigilo telefônico da dupla de investigadores, detida na sexta-feira com 1,7 quilo de cocaína, em Guaíba, foi pedida ontem


A polícia pediu ontem à Justiça a quebra do sigilo telefônico dos inspetores do Departamento Estadual de Prevenção e Repressão ao Narcotráfico (Denarc), presos em flagrante por um patrulha da Brigada Militar (BM) na noite de sexta-feira, em Guaíba, na Região Metropolitana. Com a dupla de investigadores, foram apreendidos 1,7 quilo de cocaína, R$ 8 mil e uma arma calibre 32 com a numeração raspada. A prisão preventiva dos dois policiais foi decretada no sábado.

Ontem, o corregedor-geral da Polícia Civil, delegado Walter Waigner, comunicou à Chefia da Polícia Civil o afastamento temporário de suas funções dos inspetores Luís Fernando Marques da Silva, 48 anos, conhecido como Alemão Marques, e Marco Bilheri Reis, 42 anos.

Esta é a segunda vez que Marques é afastado. A primeira ocorreu no período de 2007 a 2012, quando ele respondeu a um inquérito administrativo por concussão – exigir vantagens para si. Inocentado, acabou reintegrado ao efetivo.


Detenção de inspetores foi assunto do dia nas DP’s

O delegado Waigner acredita que a quebra do sigilo telefônico dos celulares usados pela dupla irá fornecer informações importantes na investigação sobre o episódio. Além da droga, da arma e do dinheiro, a patrulha da BM apreendeu vários papéis com anotações sobre supostos traficantes.

– A nossa resposta ao que os dois fizeram precisa ser rápida e consistente – avalia o delegado.

Nos corredores das delegacias da Capital, a prisão dos inspetores foi o assunto do dia. Eles pertencem à 3ª Delegacia do Denarc, que opera com 12 agentes e é responsável pela Região Metropolitana. O titular é o delegado Marcos Viafore.

– Os dois não estavam em Guaíba, em nenhuma missão. O episódio é lamentável, e estamos conversando com a equipe sobre o que aconteceu – afirma o delegado.

Arima da Cunha Pires, advogada dos dois policiais, não comenta o caso dos seus clientes. Diz apenas que deverá entrar com pedido de relaxamento da prisão para ambos.

– São duas pessoas de bem. Não têm motivo para ficar presos enquanto a investigação está em andamento – argumenta.

A versão dos presos

Marques e Reis eram considerados linha de frente da delegacia. Zero Hora apurou que eles afirmaram, para amigos e no depoimento, na Corregedoria, que caíram em uma armadilha do filho de um traficante que haviam detido. Essa pessoa seria aliada de um informante da dupla – um homem com longa ficha de serviços aos inspetores.

O informante teria ligado e marcado um encontro em Guaíba, com o argumento de que os levaria ao maior traficante da região (o nome não foi revelado). Mas que eles deveriam se passar por vendedores de droga. Para compor o disfarce, o informante deu a eles uma espécie de kit – a droga e o dinheiro –, afirmando que se tratava de material falso. A arma com a numeração raspada, apreendida com eles, teria sido tirada do informante por precaução.

Os dois policiais teriam ficado no local do encontro esperando o informante trazer o homem que os levaria até o traficante. Foi quando apareceu a patrulha da BM e os prendeu.


O PERFIL DOS DETIDOS

- Luís Fernando Marques da Silva, 48 anos, inspetor, entrou na Polícia Civil em 1995, na 20ª DP, em Porto Alegre. De 1999 a 2001, trabalhou na 4ª DP do Denarc. Foi para o Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), onde trabalhou nas delegacias de Repressão aos Crimes Contra o Patrimônio das Concessionárias e os Serviços Delegados (DRCP) e na de Roubos, de onde foi afastado para responder processo administrativo disciplinar por concussão de 18 de junho de 2007 a 12 de março de 2013. Foi absolvido pelo Conselho Superior de Polícia. Depois, reintegrado à DP de Roubos, foi para a 3ª DP do Denarc.

- Marcos Bilheri Reis, 42 anos, inspetor, entrou em 2004 na Polícia Civil, na 1ª DP de Uruguaiana, na Fronteira Oeste. Em 2005, foi transferido para o Deic, em Porto Alegre, onde trabalhou nas delegacias de Roubos e na de Furtos e Roubos de Veículos. Em 2011, foi do Denarc, onde trabalhou na 4ª DP, na de Pronto Atendimento (Plantão) e na 3ª DP.