ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

POLICIAL FOI EXECUTADO APÓS SER OBRIGADO A AJOELHAR

CORREIO DO ESTADO 29/01/2014 09h40 

Policial foi executado com tiro na testa após ser obrigado a ajoelhar


VÂNYA SANTOS E LAURA HOLSBACK




Foto: Bruno Rezende / Correio do Estado
Mais de 100 policiais, entre civis e militares, passaram a madrugada atuando no caso



O investigador Dirceu Rodrigues dos Santos, de 38 anos, teria sido obrigado a se ajoelhar na frente da quadrilha antes de ser executado com um tiro na testa. O crime ocorreu na terça-feira (28) à noite, enquanto a vítima e o colega de trabalho Osmar Ferreira, de 39 anos, investigavam um furto de joias.

Segundo informações, a polícia recebeu a denúncia de que uma quadrilha estava vendendo joias por um preço muito inferior ao de mercado. Os investigadores, lotados na Delegacia Especializada em Roubos e Furtos (Derf), passaram a atuar no caso.

Grande parte do material furtado foi recuperado, mas faltava uma corrente avaliada em R$ 80 mil. Osmar ligou para um dos criminosos e negociou a compra da peça. Ontem à noite, o policial foi até uma residência no Bairro Jardim Bálsamo, em Campo Grande, para finalizar a negociação, enquanto seu colega Dirceu permaneceu do lado de fora do imóvel. O investigador, porém, foi reconhecido por um dos bandidos.

Osmar teria sido agredido de surpresa, enquanto seu colega foi rendido pela quadrilha. Dirceu resistiu e entrou em luta corporal com os bandidos, ocasião em que foi baleado na barriga. Mesmo ferido, ele continuou lutando, mas logo foi dominado.

Ainda conforme informações, Dirceu foi obrigado a se ajoelhar diante da quadrilha, ocasião em que foi executado com um tiro no pescoço e outro na testa. O investigador deixa três filhos.

Já o policial Osmar foi socorrido e chegou na Santa Casa às 6h. Ele passou por consulta geral na unidade hospitalar e foi liberado em seguida..

Coletiva

A Polícia Civil apresentará o resultado das investigações acerca da morte de Dirceu às 14h30min desta quarta-feira (29) durante entrevista coletiva. Conforme assessoria de imprensa da corporação, os autores do crime já foram identificados e presos.

O velório do investigador Dirceu será na Capela Campo Grande, que fica na Rua Dollor Ferreira de Andrade esquina com a Rua 13 de Maio, Bairro São Francisco, na Capital.