ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quinta-feira, 25 de abril de 2013

PM SUSPEITO DE INTEGRAR QUADRILHA MORRE AO ENFRENTAR GUARNIÇÃO DE SERVIÇO

ZERO HORA ONLINE 25/04/2013 | 00h43

Policial foge de abordagem e é morto por colega da BM em Passo Fundo. Suspeita de envolvimento da vítima em assaltos a banco era investigada pela Brigada Militar


Crime aconteceu na Rua São Marcos, no Loteamento Parque FarroupilhaFoto: Diogo Zanatta / Especial

Fernanda da Costa

A morte de um policial ferido por um colega nesta quarta-feira em Passo Fundo, no norte do Estado, revelou uma investigação interna da Brigada Militar. A vítima, o soldado Alexandre dos Santos Bueno, 31 anos, era investigado pela suspeita de envolvimento em assaltos a banco.

Segundo a Polícia Civil, ele foi baleado quando fugiu de uma abordagem policial. Conforme a BM, quatro policiais do Batalhão de Operações Especiais faziam um patrulhamento de rotina no Loteamento Parque Farroupilha, na periferia do município, quando um Corolla passou pela viatura, por volta das 16h30min. De acordo com os policiais, o passageiro do carro se escondeu ao passar pelo veículo oficial, o que os alertou.

A Brigada Militar perseguiu o Corolla por cerca de oito quadras até que, na Rua São Marcos, o passageiro saltou do veículo. Ele seguiu rastejando, segundo os policiais, e se escondeu entre um caminhão e um carro. Era o colega Bueno, que estava de folga.

Armado, ele foi cercado pelos policiais. Os colegas relataram à Polícia Civil que Bueno sacou, engatilhou a arma, e a apontou para eles. Neste momento, um deles atirou na direção de Bueno. Segundo a Polícia Civil, ele foi atingido por pelo menos quatro disparos.

O soldado foi socorrido e encaminhado ao Hospital da Cidade, mas não resistiu aos ferimentos e morreu pouco tempo depois. O motorista do Corolla fugiu e, até o momento, não foi localizado.


Objetos apreendidos pela Polícia Civil
Foto: Diogo Zanatta, Especial

Com Bueno, foram apreendidas duas pistolas, uma touca-ninja e um rádio, que seria usado para sintonizar a frequência da Brigada Militar. As armas dos policiais militares em serviço também foram apreendidas.

— As pistolas que a vítima portava não são BM. Elas têm calibre 9mm, tipo de uso restrito. E uma delas ainda estava com a numeração raspada — afirma o delegado Diogo Ferreira.

Soldado estava há quatro anos na BM

O comandante do 3º Regimento de Polícia Montada (RPMon) da Brigada Militar, tenente-coronel Fernando Carlos Bicca, afirma que Bueno trabalhava no órgão há quatro anos. Ele atuava na equipe de policiamento ostensivo e estava sendo investigado pela Corregedoria e pelo Serviço de Inteligência da BM.

— A suspeita é de que o soldado participava de uma quadrilha de assaltantes a banco.

O tenente-coronel preferiu não revelar há quanto tempo Bueno era investigado. Apesar da suspeita, Bicca afirma que ele não foi afastado da Brigada Militar por falta de provas. O órgão não fará homenagens oficiais ao soldado.

O caso será investigado pelas polícias Militar e Civil. Conforme Bicca, um oficial de Getúlio Vargas conduzirá o inquérito militar.