ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

terça-feira, 2 de abril de 2013

PERDER PESO

G1 - 02/04/2013 06h11

PMs do Bope ficam 'confinados' em fazenda no Rio para perder peso. Treze homens da 'Tropa de elite' são submetidos a treinamento especial. PMs encaram mais de 12h de exercícios físicos e alimentação regrada.

Tássia ThumDo G1 Rio



Uma semana confinados na fazenda, enfrentando mais de 12 horas diárias de exercícios físicos, com o objetivo de exterminar o principal inimigo: os quilos extras. O roteiro parece o de um reality show, mas essa é a vida real de 13 policiais do Batalhão de Operações Especiais (Bope) que participam do programa da corporação, no Rio de Janeiro, para prevenção de doenças e aumento da qualidade de vida. No primeiro dia do árduo treinamento, que inclui corridas de 30 km e caminhadas na mata com farda, os capitães da tropa de elite garantem que nenhum recruta pediu para sair.

PMs foram selecionados após exames apontarem excesso de peso e problemas como hipertensão, diabetes e alta taxa de colesterol (Foto: Divulgação/ Bope)

O comandante do Bope, Rene Alonso, explica que os 13 PMs foram convidados a participar da experiência após uma série de exames realizados pela corporação, que apontaram diabetes, hipertensão, alta taxa de colesterol, além de estresse e cansaço nos ‘caveiras’. Ao longo de três meses, eles terão que adotar novos hábitos alimentares, praticar exercícios físicos com frequência, e se abster de algumas tentações, como chocolate, fritura e refrigerantes.

“A unidade não está fora de forma, mas alguns realmente estão com dificuldade de atingir as metas impostas. Esse é um trabalho de prevenção, autoestima, para que se evite doenças futuras. A maioria desses PMs tem entre 10 e 30 anos de corporação, e não atuavam mais na linha de frente do combate. Nós queremos que eles tenham uma aposentadoria saudável”, comenta o comandante, acrescentando que futuramente o projeto poderá ser estendido para toda Polícia Militar.

Rotina 'osso duro de roer'
Grelhados e saladas estão no cardápio da dieta
dos 'caveiras' (Foto: Divulgação/ Bope)

Isolados na Fazenda Marambaia, uma propriedade da Polícia Militar, na Zona Oeste do Rio, os PMs recebem as “missões” de um médico, uma nutricionista e um preparador físico. Como a turma “não está de bobeira” e nem no SPA, o dia começa cedo, às 6h, quando é servido o café da manhã. O desjejum é com frutas, iogurte, queijo branco, sucos e pães. Em seguida, o grupo enfrenta a rotina “osso duro de roer”.

Seguindo o jargão: “missão dada é missão cumprida”, o preparador físico do Bope, sargento Marcos Alessandro Campelo, montou uma planilha de exercícios para cada dia. No primeiro, os PMs enfrentaram duas horas e meia de caminhada na mata, com farda e coturno. Em seguida, eles foram submetidos a uma aula de alongamento. Retomado o fôlego, a parte da manhã terminou com uma corrida na praia entre Grumari e Barra de Guaratiba. À tarde, os ‘caveiras’ tiveram aula de musculação, com doses intensas de abdominais e flexões, e atividade na piscina, com exercícios durante 1h30 de hidroginástica e natação.

“O ritmo é puxado. O treinamento físico é voltado para as necessidades do Bope, os policiais suam bastante, perdem muitas calorias. Dependendo do dia, começamos o treinamento com corrida e fazemos também exercícios de resistência muscular localizada, que pode ser trabalho de força ou explosão. Se for corrida, eles correm de duas a três vezes por dia, por 1h15 em cada etapa. Mas vale ressaltar, que os PMs repousam, dormem oito horas e têm uma alimentação balanceada, para repor os nutrientes perdidos”, explica o preparador físico, sargento Campelo.

Inspiração em Ronaldo Fenômeno
O médico, major da PM Humberto Jun, chefe de saúde do Bope, conta que durante o período de confinamento, os policiais vão assistir a palestras motivacionais de pessoas que perderam peso e mudaram os hábitos alimentares. Apesar de não confirmar e nem negar os rumores, o ex-jogador de futebol Ronaldo Fenômeno seria um dos nomes cotados para contar sua experiência à tropa de elite. Durante o quadro “Medida Certa”, exibido no ano passado no Fantástico, o ex-artilheiro, que ganhou as capas de jornais pela barriga saliente, perdeu 17 quilos.

“O objetivo do Bope é trazer bons resultados, que podem ser replicados. Teremos palestras de superação, mas ainda não fechamos os palestrantes. Essas pessoas são parceiras do Bope, são pessoas admiradas, e algumas são sim celebridades. O Ronaldo seria um bom nome”, completa Jun.

Em abril de 2011, o ex-jogador participou de um jogo promovido pelo Bope nos morros da Mineira e São Carlos. Em dezembro do ano anterior, Fenômeno visitou a sede do batalhão e em seu Twitter escreveu que a experiência foi única e destacou a união dos PMs que atuam no setor.