ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sexta-feira, 12 de abril de 2013

MÁQUINA DO IGP ESTRAGA E CORPO NÃO É SEPULTADO

ZERO HORA 12 de abril de 2013 | N° 17400

DRAMA EM FAMÍLIA


Há mais de um mês, uma família de Canoas, na Região Metropolitana, vive o drama de não conseguir enterrar o filho morto em um homicídio. O corpo de Wilian Teixeira Pinheiro está retido pelo Instituto-geral de Perícias (IGP) por conta de um defeito em uma máquina analisadora genética automática, a única do Estado que faz a identificação por DNA das vítimas.

Oprocesso de identificação é requisito para a liberação de qualquer corpo por parte do IGP. No caso de Wilian, as digitais, por exemplo, não podem ser coletadas: ele foi vítima de tiros e teve seu corpo carbonizado. A família fez o reconhecimento em 6 de março, dois dias após a morte. A partir disso, amostras de DNA foram coletadas do pai e do morto (que segue em uma câmara fria do Departamento Médico Legal em Canoas) para a realização do exame.

No entanto, técnicos do IGP informaram aos familiares que o equipamento não estava em funcionamento por conta de um defeito em uma peça e que a liberação do corpo de Wilian não tinha previsão para ocorrer.

– A gente está em desespero. E creio que existem outras famílias passando por isso também – diz a secretária Cristiane Reis, 39 anos, prima de Wilian.

Equipamento só volta a operar em 20 dias

De acordo com o diretor-geral do IGP, José Cláudio Teixeira Garcia, o conserto custa R$ 85 mil e um contrato emergencial está sendo feito. Ele estima que o equipamento esteja funcionando em cerca de 20 dias.

Conhecida como sequenciador, a máquina tem o nome de analisador genético automático. É um equipamento no qual o DNA extraído dos materiais enviados à perícia (como sangue ou fios de cabelo) são analisados. Funciona através de um sistema de eletroforese capilar com detecção por fluorescência, que é induzida a laser.

Willian trabalhava como soldador. Há algum tempo, porém, não exercia a profissão. Com 27 anos, ele morava com a irmã em Canoas. Seu corpo foi encontrado carbonizado no bairro Olaria. A polícia ainda investiga as circunstâncias em que sua morte ocorreu.

*Colaborou Letícia Costa

ADRIANO DE CARVALHO*