ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

domingo, 7 de abril de 2013

CAÇADA AO MATADOR DE TAXISTAS

ZERO HORA 07 de abril de 2013 | N° 17395

TAXISTAS MORTOS

Mais de 30 policiais passaram a madrugada à procura do suspeito de assassinar seis taxistas



Moreno claro, cerca de 1m70cm de altura, magro e com cerca de 30 anos de idade. Um homem com essas características virou alvo de policiais de toda a Região Metropolitana. Essa é a descrição do suspeito de assassinar três taxistas na semana passada na Capital – e há desconfiança de que ele possa, também, ter executado outros três motoristas de táxi em Santana do Livramento e na vizinha cidade uruguaia de Rivera, dia 28, dois dias antes de atacar na Capital.

Mais de 30 policiais civis passaram a noite de sexta-feira e a madrugada de sábado vigiando locais onde o matador pode ter circulado. Uma equipe foi enviada na manhã de sábado para Santana do Livramento, atrás de possíveis esconderijos do criminoso, que pode ter familiares naquela região – e, por isso, teria aproveitado uma viagem na Semana Santa por lá para cometer crimes. É apenas uma hipótese, mas que ganha cada vez mais força face às coincidências entre as duas ondas de assassinatos, na Capital e na Fronteira.

A série de mortes motiva uma caçada internacional, no Brasil e no Uruguai, ao que pode ser um homem obcecado por matar taxistas. Os seis executados eram taxistas, e foram mortos com arma calibre .22, incomum e que nem é mais fabricada no Brasil. Os seis levaram tiros na cabeça e em nenhuma outra parte do corpo. Em cinco dos seis casos, os motoristas foram abandonados longe dos seus carros.

Numa série de ações da BM visando coibir assaltos em Sapucaia do Sul, PMs encontraram, no sábado, uma pistola .22, o mesmo calibre usado pelo matador de taxistas. A arma foi abandonada numa residência que seria esconderijo de ladrões e, após apreendida, foi levada para a Polícia Civil. Será periciada para verificar se os projéteis são compatíveis com os usados nos assassinatos.

A principal linha de investigação da Polícia Civil é de que o matador seja um assaltante, com algum recalque emocional em relação aos taxistas.

– Ainda não tivemos retorno sobre a comparação das digitais. Tudo será checado – informa o delegado Odival Soares, que passou entre a noite de sexta e a manhã de sábado chefiando equipes que procuram o matador.

O chefe da Delegacia Regional de Porto Alegre, delegado Cleber Ferreira (que comanda todas as delegacias distritais da Capital), também montou equipes para auxiliar na busca.



PORTO ALEGRE - Taxista é assaltado e preso em porta-malas

O taxista Antonio Vivaldo Alves, 59 anos, viveu momentos de terror na noite de sexta-feira, em Porto Alegre. Por volta das 23h ele foi assaltado por três homens na Rua Berlim, na Lomba do Pinheiro, em Porto Alegre. Após ter os celulares, o GPS, dinheiro e a chave roubados, o motorista foi aprisionado pelos bandidos no porta-malas do seu próprio veículo.

Com mais de 30 anos de trabalho como taxista, ele conta que já passou por outros assaltos. Cerca de duas horas após ter sido trancado no porta-malas, assustado, ele falou por telefone com a reportagem de Zero Hora.

– Disseram para eu olhar no meio dos bancos, perguntei o que teria ali e ele (um dos assaltantes) me mostrou a arma. O homem que estava sentado na frente encostou a ponta da faca em mim e depois mandaram descer – relata Alves.

O taxista diz que, por causa das recentes mortes de colegas na Capital, achou que seria executado. Mesmo com o susto, ele não ficou ferido e conseguiu sair sozinho do porta-malas.

De acordo com o motorista, os assaltantes formavam um trio e embarcaram na Rua São Luiz, no bairro Santana. Portavam um revólver e uma faca e fugiram após o roubo. O veículo foi recolhido por um guincho e passará por perícia. O caso foi registrado e será investigado pela 21ª Delegacia da Polícia Civil (bairro Lomba do Pinheiro). Até o final da manhã de sábado, não existiam pistas dos criminosos.