ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sexta-feira, 19 de abril de 2013

CHEFE DO EM É EXONERADO POR DEFENDER PROMOÇÕES NA PM

JAMPA NEWS - 18/04/2013

Degola: Chefe do Estado Maior Estratégico é exonerado por ter participado de audiência pública em defesa das promoções na PM


REDAÇÃO



Cel Jarlon sendo homenageado pelas Forças Armadas (foto)

Não demorou muito para o Governo responder aos questionamentos feitos pela Polícia Militar durante a audiência Pública realizada na última terça-feira (16) no plenário da Assembléia Legislativa. No Diário Oficial do dia 17 de número 15212, na página 10, consta o ato 6389 do governador Ricardo Coutinho exonerando o coronel Jarlon Cabral Fagundes do cargo de chefe do Estado Maior Estratégico, o terceiro na hierarquia militar, como retaliação a participação do oficial no evento político, onde ele cobrou com veemência explicações para a protelação das promoções de mil militares.

O coronel foi um dos inquisidores e sua participação foi contundente quando refutou todas as explicações dadas pelo representante do Governo, o coronel Francisco Castro. Jarlon considerou a protelação das promoções uma prova da incapacidade administrativa da gestão de Ricardo Coutinho, já que as promoções estão asseguradas em Lei e deviam constar da programação orçamentária do governo.

Para o coronel Jarlon não se justifica a resistência da gestão socialista em não promover as praças, até porque a repercussão financeira das promoções é insignificante, não passando de R$ 160.000,00 a mais na folha do Estado.

O coronel foi incisivo e quando o governo, através de seus representantes, tentou escamotear dados e informações, ele como chefe do estado maior estratégico fez questão de desmentir.

Durante o debate, o representante do Corpo de Bombeiros Militares, coronel Guerra, afirmou que na corporação todas as promoções haviam sido realizadas, para ser desmentido em seguida, com Jarlon apontando para as galerias e mostrando bombeiros militares protestando contra o atraso na ascensão funcional.

Hoje pela manhã o coronel foi alvo de várias manifestações de solidariedade dos colegas revoltados com a política mesquinha imposta por Ricardo Coutinho e pelo comandante geral, Euller Chaves, que optaram por perseguir e retaliar aqueles militares que defendem as causas da corporação.