ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quinta-feira, 1 de maio de 2014

DOIS PM E UM JOVEM SÃO INDICIADOS POR MORTES EM BENTO

Do G1 RS 30/04/2014 19h01

Dois policiais militares e um jovem são indiciados por mortes em Bento. Dois policiais responderão por homicídios consumados e tentados. Jovem que dirigia carro será indiciado por fugir da polícia.




O delegado do segundo distrito policial de Bento Gonçalves, Álvaro Becker, indiciou os dois policiais militares suspeitos de terem matado dois jovens dentro de um furgão em Bento Gonçalves após uma perseguição policial. Os agentes devem responder por dois homicídios consumados e dois homicídios tentados com dolo eventual, quando o indivíduo, mesmo sem intenção, assume o risco.

O jovem que dirigia o carro envolvido na perseguição também foi indiciado pelas duas mortes e uma tentativa de homicídio por ter fugido da polícia. Em depoimento, ele justificou que estava com a carteira provisória e tinha ingerido bebida alcoólica, por isso não parou na abordagem.

Ainda há resultados de perícia que não foram divulgados, como o de vestígios de pólvora na mão dos jovens. O principal questionamento é se houve confronto entre os militares e os jovens. Existem dúvidas também em relação às armas encontradas no carro, que, segundo a polícia, foram registradas em dois estados.

“Não tem nem como dizer se houve confronto ou não. Há uma arma com dois tiros percutidos, mas como a perícia informou que não houve disparo de dentro do furgão, então provavelmente os dois que estavam dentro do veículo não atiraram. Mas é possível que quem estava na frente, com o braço pra fora, tenha atirado”, afirma Becker.

Mesmo com as questões em aberto, o inquérito será encaminhado ao Ministério Público hoje a tarde e depois será remetido à justiça. Caso haja condenação, a pena varia de seis a 20 anos de reclusão. Os policiais militares estão afastados do trabalho devido a uma licença saúde e podem ser expulsos da corporação se condenados.

Entenda

Na madrugada do dia 16 de março, um adolescente de 16 anos e um jovem de 20 anos foram mortos por policiais militares após fugirem de uma abordagem da Brigada Militar. Houve perseguição pelas ruas da cidade e, segundo a versão dos policiais, troca de tiros.

Um revólver calibre 38 com dois cartuchos deflagrados teria sido encontrado dentro do veículo pelos PMs. Conforme o delegado Álvaro Becker, responsável pela investigação, o primeiro proprietário da arma foi identificado, mas a polícia descobriu que o revólver já havia sido repassado a outra pessoa, que vive em outro estado e deverá ser ouvida.

O grupo de jovens voltava de uma festa em uma chácara no interior de Dois Lajeados, a cerca de 30 quilômetros de Bento Gonçalves. Um jovem de 18 anos, que conduzia o veículo, levou um tiro de raspão, enquanto um adolescente de 15, que estava na cabine do veículo, não se feriu.
Além da Polícia Civil, a Brigada Militar também investiga o caso. Um Inquérito Policial Militar (IPM) foi aberto pela Corregedoria-Geral da BM. Os dois PMs envolvidos na suposta troca de tiros tiveram as armas recolhidas e foram afastados do policiamento ostensivo nas ruas.