ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

domingo, 4 de maio de 2014

PALÁCIO DA JUSTIÇA É ARROMBADO E FURTADO

ZERO HORA - 02/05/2014 | 16h29

por Renato Gava

Audácia. Palácio da Polícia é arrombado e furtado durante a noite em Porto Alegre. Criminosos tentaram levar busto na entrada principal, mas fugiram apenas com um ventilador



Um cadeado e uma fechadura foram destruídosFoto: Marcelo Oliveira / Agencia RBS


Nem o Palácio da Polícia escapou da audácia dos criminosos, que arrombaram no final da noite de quina-feira a entrada principal do prédio, na Avenida João Pessoa, quase esquina com a Avenida Ipiranga. Os ladrões (a polícia acredita que mais de uma pessoa tenha participado da ação) tentaram arrancar o busto do patrono da polícia gaúcha, Plínio Brasil Milano, instalado no hall e revestido por uma camada metálica. Mas, provavelmente, desistiam ao perceber que a peça, com cerca de 80cm de altura e pelo menos 25 quilos, é de concreto por dentro.

O grupo fugiu levando apenas um ventilador, usado pelas recepcionistas que trabalham no local até às 18h - depois, a porta é fechada e a fiscalização, oficialmente, fica a cargo de rondas feitas pelo Grupamento de Operações Especiais (Goe), que verificou o arrombamento às 23h.

Um cadeado e uma fechadura foram destruídos. Na sexta-feira à tarde, serralheiros consertaram o estrago e instalaram tramela na porta, de cerca de 2m de largura, e em pelo menos outras três do Palácio da Polícia. O local não é monitorado por câmeras.

Conforme a responsável pela Divisão de Comunicação Social da Polícia Civil, delegada Clarissa de Oliveira Lopes, ainda não ficou definido qual delegacia ficará encarregada da investigação para tentar encontrar os criminosos. A delegada informou que está em processo de licitação a compra de câmeras de monitoramento, a serem instaladas ao redor do palácio e em outras delegacias de Porto Alegre.


ZERO HORA 02/05/2014 | 18h03

Vulnerabilidade exposta

Após arrombamento, segurança no Palácio da Polícia é reforçada. 
Conforme o chefe da Polícia Civil, plano de segurança para o prédio já estava em execução e será acelerado



Busto de Plínio Brasil Milano foi danificado na tentativa de furtoFoto: Diego Vara / Agencia RBS


O prédio que deveria ser um modelo de segurança no Estado teve sua vulnerabilidade exposta na noite de quinta-feira. O Palácio da Polícia, em Porto Alegre, teve uma das portas laterais arrombadas, uma estátua danificada e um ventilador furtado. Apesar da quantia irrisória dos danos, a segurança já foi reforçada no local — garantiu o chefe da Polícia Civil, delegado Guilherme Wondracek.

O ponto do ocorrido — uma porta lateral na Avenida João Pessoa, próxima à Ipiranga — se encontra, temporariamente, sem câmeras de monitoramento. Está em tramitação o processo de instalação dos equipamentos, item que integra um projeto de ampliação da segurança do prédio. Outra medida adotada ainda na manhã foi o reforço nas portas do palácio, com a instalação de uma tramela de dois metros de largura.

— O plano já estava em andamento e, agora, será reforçado — afirmou Wondracek.

Por volta das 23h de ontem, uma porta de ferro teve o miolo da fechadura violado e foi aberta, dando acesso à secretaria do palácio. Na sala, estava a estátua do patrono da Polícia Civil, Plínio Brasil Milano. A suspeita de Wondracek é de que se tratassem de usuários de crack interessados em levar o busto para trocar por droga. O plano não se consumou, e a estátua foi deixada no chão — mas não intacta. Partes quebradas na traseira do monumento evidenciaram seu conteúdo: feita de concreto e coberta por um revestimento metálico, o item, dificilmente, valeria tanto quanto desejavam seus ladrões.

— Diria que foram consumidores de crack que, quando estão sob efeito da droga, perdem seus freios morais e a noção do perigo — aponta o chefe da Polícia Civil.

Os criminosos não tiveram acesso ao coração do prédio, onde ficam setores fundamentais para a corporação — como a sala de armas e o centro de informações. Nesses pontos, há monitoramento 24 horas e seria impossível não verificar a presença de alguém, segundo Wondracek. A segurança no palácio fica sob responsabilidade do Grupamento de Operações Especiais (GOE) da Civil, que, ao longo da madrugada, realiza rondas pelo prédio. A investigação deverá ser conduzida pela 2ª Delegacia de Polícia de Porto Alegre.

— Há prédios mais modernos que são mais seguros. Esse é um prédio antigo — concluiu o chefe da corporação.

Quem foi Plínio Brasil Milano

O patrono da Polícia Civil, Plínio Brasil Milano, empresta a sua imagem à estátua que foi violada na noite de quinta-feira. Ele nasceu em Alegrete, em 1908, e atuou como delegado da Ordem Polícia e Social (Dops). Também teve a seu cargo a organização do Serviço de Contra-Espionagem e foi o responsável por destruir no Estado e no país uma rede de espionagem nazista, conforme consta nos arquivos da Academia de Polícia. Plínio morreu em Montevidéu em outubro de 1944. Seu reconhecimento público veio em 1983, com a designação de patrono da corporação.