ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

segunda-feira, 19 de maio de 2014

SEM RESPOSTA SOBRE VIATURAS INCENDIADAS NO PÁTIO DA APM

ZERO HORA 19/05/2014 | 05h01

por Humberto Trezzi


BM ainda não tem resposta sobre viaturas queimadas em Porto Alegre. Brigada Militar abriu investigação, ouviu dezenas de pessoas, examinou vários vídeos e continua sem saber quem incendiou 10 picapes no estacionamento da Academia de Polícia


Veículos novos que foram incendiados seriam usados para patrulhar fronteira com o Uruguai e a ArgentinaFoto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS


Quase 200 policiais investigados. Vários vídeos de câmeras de segurança examinados. Mais de 40 pessoas ouvidas. Mas, passados quase três meses, a Brigada Militar segue sem saber quem são os autores do incêndio de 10 viaturas da corporação, em 24 de fevereiro.

O atentado ocorreu na sede da Academia de Polícia Militar, em Porto Alegre, e incendiou 10 picapes Nissan Frontier, zero-quilômetro, que seriam designadas para patrulhamento na fronteira com Uruguai e Argentina.

Dos veículos queimados, seis tiveram perda total, e o restante sofreu danos. O pátio era usado para abrigar outras 196 caminhonetes, que, após o episódio, tiveram sua distribuição acelerada para várias unidades da Brigada Militar.

Quem ateou fogo aos veículos sabia da localização deles e da fragilidade na vigilância do local, acreditam os investigadores da BM, que abriu um inquérito policial-militar para esclarecer o caso.

Um aluno-oficial da BM fazia vigilância em uma guarita principal, mas a Academia é vulnerável por se tratar de terreno cheio de árvores, com muros não muito altos, o que pode facilitar invasões. Faziam curso, no mês do atentado, 194 candidatos a oficial da BM. Desses, pelo menos 15 estavam no local na noite do incêndio. Não foi encontrada relação deles com o crime.

A Corregedoria investigou a informação de que três homens de boné e trajes civis teriam pulado o muro, usando antes uma mulher bonita para distrair a guarda.

– Nada foi confirmado, embora a hipótese não esteja afastada – diz o coronel Alfeu Freitas Moreira, chefe do Estado Maior da BM.

Mesmo sem autoria conhecida, é dado como certo na cúpula da corporação que alguém será indiciado, nem que seja por negligência. Outro caso similar, o incêndio de dois veículos da BM, em julho de 2013, no pátio da Secretaria da Segurança Pública – próximo à Estação Rodoviária da Capital –, ainda permanece não esclarecido.

196 viaturas que estavam no pátio e não sofreram danos com o incêndio tiveram a distribuição acelerada para outras unidades.

Principais hipóteses

Quem ateou fogo sabia da localização e da vigilância frágil, acredita a BM

Fogo amigo

Alguém da própria BM teria ateado fogo aos veículos ou facilitado o ingresso do incendiário. Por qual motivo? As cogitações são variadas.

PMs incendiários fazem parte da história recente da corporação. Durante atos pró-melhoria de salário, manifestantes mais exaltados atearam fogo a pneus colocados como barreiras nas estradas gaúchas.
A Corregedoria da Polícia, porém, não consegue identificar sindicalistas ou grevistas entre os possíveis autores do atentado de 24 de fevereiro – até porque não há campanha salarial em andamento.

Hostilidade à polícia

O atentado poderia também ter sido praticado por algum manifestante hostil à polícia. Há precedentes: nos protestos contra aumento de passagens de ônibus e gastos com a Copa registrados ano passado, ônibus foram incendiados pelos black bloc e viaturas, depredadas.
Em fevereiro, porém, essas manifestações tinham perdido força. Os investigadores acham pouco provável que pessoas estranhas conseguissem ingressar no pátio da Academia e atear fogo a caminhonetes situadas no meio de uma frota de veículos, como ocorreu.

Inimigo interno

Uma das linhas mais fortes é de que PMs investigados por crimes possam ter se vingado das chefias.
É o caso de dois grupos de policiais envolvidos em assassinatos. Um deles, o "pelotão da morte", atuava em Alvorada e ficou preso no presídio para PMs, na Academia de Polícia. São suspeitos de atuar, pagos por comerciantes, no extermínio de ladrões. Estão soltos.
Outro grupo é de três PMs que atearam fogo a mendigos suspeitos de furto. Todos estavam foragidos na época, no entanto, nenhum estava no presídio ou na Academia.

Por que o fogo foi criminoso?

Uma série de constatações levou a Brigada Militar a descartar um incêndio acidental no pátio da Academia. Após analisarem o local em que as viaturas estavam, peritos concluíram que o fogo não foi causado por um artefato lançado desde a rua (um coquetel molotov, por exemplo). Ele irrompeu dentro do veículo – ou foi ateado. Provavelmente começou na parte dos bancos, no estofamento, e dali se propagou.

Há probabilidade de que alguém tenha aberto a porta de uma picape e colocado fogo, já que os vidros do veículo-foco (onde o fogo começou) estavam abertos.

Outra picape estava com a tampa do reservatório de combustível aberta, um dispositivo que só é ativado por dentro, com chave. Há probabilidade de que alguém tivesse uma chave para abrir a caminhonete – neste caso, mais um indício de que seria alguém com acesso interno à Academia. Outra hipótese, mais remota, é de que alguém tenha esquecido a tampa do tanque aberta.

A possibilidade de que o combustível de uma das caminhonetes tenha sido aspirado e usado para tocar fogo em outra é considerada difícil, já que os veículos são movidos a diesel, menos inflamável do que gasolina. Do veículo-foco, as labaredas se espalharam para outros carros. A palha seca acumulada embaixo das caminhonetes ajudou na propagação.

Relembre o caso com galeria de fotos: