ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quinta-feira, 8 de maio de 2014

DONO DE PAGINA DIZ QUE ALERTOU PM ANTES DO LINCHAMENTO

ZERO HORA 08/05/2014 | 08h25


Linchamento no Guarujá: dono de página diz que alertou PM. Página Guarujá Alerta é apontada como a responsável pela divulgação dos boatos que terminaram no espancamento e morte de dona de casa



Vídeo da mulher sendo espancada em comunidade de Guarujá está sendo divulgado na internetFoto: Reprodução / Reprodução


O dono da página no Facebook Guarujá Alerta, apontado como o catalisador da onda de boatos que terminaram com o linchamento da dona de casa Fabiane Maria de Jesus, de 33 anos, no sábado, disse ao jornal O Estado de S. Paulo, depois de evitar reportagens por dois dias, que procurou a Polícia Militar na sexta-feira para pedir ajuda para desmentir a boataria sobre a sequestradora que atuaria na cidade.

O homem, que não revela nome, idade nem profissão porque diz já ter recebido mais de 600 ameaças, disse que seu papel durante os dias que antecederam o espancamento de Fabiane foi informar que as histórias que circulavam pela internet não eram verdadeiras. Ele conta que a onda de histórias sobre a sequestradora crescia na rede, e o que ele fez foi repercuti-la. Até constatar que os casos não eram verdadeiros.

— As pessoas publicavam nos perfis delas e em outros perfis. Tinha gente publicando que havia uma criança morta dentro de caçamba de lixo no bairro Maré Mansa e gente dizendo que viu a sequestradora — diz o dono da página. — O que fizemos? Detalhamos direitinho, dissemos que no Rio havia o mesmo boato, que uma foto que haviam publicado era de um site de humor, mas não teve como segurar esse boato. O pessoal começou a extrapolar. Nem é nosso papel segurar boatos — explica.

Sem força para acalmar a população, segundo afirma, o dono da página decidiu pedir ajuda à polícia.

— Um dia antes do acontecido, enviamos um e-mail para o 21º Batalhão de Polícia Militar do Guarujá pedindo que enviasse uma nota oficial para tranquilizar a população da cidade, esclarecendo que tudo era um boato, para que a população ficasse mais calma. Mas infelizmente não tivemos resposta — lamenta.

Na tarde do sábado, ele diz que começaram a aparecer mensagens com fotos de Fabiane, dizendo que a sequestradora havia sido presa.

— Dissemos que não publicaríamos nenhuma foto — afirma.

O homem prestou depoimento na Delegacia Seccional do Guarujá na terça-feira e foi liberado. O delegado do caso, Luiz Ricardo Lara Dias Júnior, trata o dono da página como uma testemunha e diz que ele tem colaborado, chegando a enviar suas senhas do Facebook para a polícia. Mas diz que o material publicado no Guarujá Alerta ainda está sendo analisado.

— Não me sinto culpado pelo ocorrido. A todo momento, tudo o que quis foi dizer que aquilo era um boato, sempre quis. Mas infelizmente não posso me responsabilizar por aquelas pessoas que fizeram aquela atrocidade — alega.

Não é o que pensam outras pessoas, também segundo o do no da página.

— Até gente instruída, advogado, pergunta se eu não deveria ser linchado também — afirma, ao relatar as ameaças que está sofrendo.

Escapismo
A Polícia Militar foi procurada no começo da noite de quarta-feira para comentar as declarações. Por causa do horário, fora do expediente administrativo, informou não ter como confirmar se o e-mail realmente havia sido enviado à corporação. A corporação se comprometeu a apurar o caso nesta quinta-feira.

Em nota, a Secretaria de Segurança Pública "lamenta profundamente que a defesa do responsável pelo perfil Guarujá Alerta queira empurrar para a Polícia Militar a responsabilidade pelo boato que resultou na morte de uma pessoa inocente em Guarujá. Tal comportamento demonstra escapismo".

Moradores do bairro e parentes de Fabiane dizem que só souberam da história após ler os boatos do Guarujá Alerta. E culpam a divulgação feita.

*Estadão Conteúdo