ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quarta-feira, 14 de maio de 2014

POLICIAIS MILITARES DE PERNAMBUCO EM GREVE


O Estado de S. Paulo 14 de maio de 2014 | 11h 20

Em greve, PMs de Pernambuco suspendem atividades. Rondas ostensivas, os atendimentos do 190 e o apoio a operação da Secretaria de Defesa Social estão suspensos; grupo reivindica aumento salarial de 50% para soldados

Mônica Bernardes



RECIFE - Um dia depois de anunciarem a paralisação de suas atividades por tempo indeterminado, policiais e bombeiros militares de Pernambuco permanecem, desde a meia noite de terça-feira, 13, de braços cruzados, dentro dos quartéis. De acordo com a coordenação do movimento, estão suspensas as rondas ostensivas, os atendimentos aos chamados feitos pela central telefônica 190 e o apoio a qualquer operação da Secretaria de Defesa Social.

No início desta manhã, pela primeira vez desde que foi criado o Pacto Pela Vida - Programa desenvolvido pela Secretaria de Defesa Social em conjunto com diversos órgãos do Executivo e sociedade civil organizada - a Polícia Militar não participou de uma ação desencadeada para prender suspeitos de tráfico de drogas, homicídio e receptação de produtos roubados. A operação, batizada de Lock Down, deveria contar com 110 PMs, mas acabou sendo realizada apenas com policiais civis já que nenhum deles apareceu. Os suspeitos presos foram levados para a sede do Grupo de Operações Especiais (GOE), no Cordeiro, Zona Oeste do Recife. Foram cumpridos 29 mandados de prisão, sendo 25 de prisão temporária e quatro de prisão preventiva, além de 20 mandados de busca e apreensão domiciliar.

O impasse entre os militares e o Governo de Pernambuco permanece. Na terça, durante reunião realizada no Palácio do Campo das Princesas, uma comissão da categoria entregou novamente a pauta de reivindicações, composta por 18 itens, com destaque para o reajuste salarial de 50% para soldados e 30% para oficiais a partir de janeiro, melhores condições de trabalho e implantação do plano cargos e carreiras. Em contrapartida, o governo reforçou a disposição de garantir um reajuste de 14,55% a partir de junho. Em nota oficial, o Executivo afirmou que "a população não ficará desassistida durante a paralisação".

Entre a população o clima é de expectativa. Nas redes sociais é grande o número de pessoas que postam fotos de viaturas paradas nos quartéis ou postos de policiamento sem efetivo. Boatos sobre arrastões têm sido recorrentes, especialmente entre o público mais jovem.


PMs e bombeiros permanecem nos quartéis em Pernambuco

14 de maio de 2014 | 11h 48


MONICA BERNARDES - Agência Estado


Um dia depois de anunciarem a paralisação de suas atividades, por tempo indeterminado, policiais e bombeiros militares de Pernambuco permanecem, desde a meia noite desta terça-feira, 13, de braços cruzados, dentro dos quartéis. De acordo com a coordenação do movimento, estão suspensas as rondas ostensivas, os atendimentos aos chamados feitos pela central telefônica 190 e o apoio a qualquer operação da Secretaria de Defesa Social. Uma assembleia da categoria, onde a greve deverá ser oficialmente decretada, está prevista para acontecer no final da manhã desta quarta.

No início desta manhã, pela primeira vez desde que foi criado o Pacto Pela Vida - programa desenvolvido pela Secretaria de Defesa Social em conjunto com diversos órgãos do Executivo e sociedade civil organizada - a Polícia Militar não participou de uma ação desencadeada para prender suspeitos de tráfico de drogas, homicídio e receptação de produtos roubados. A operação, batizada de Lock Down, deveria contar com 110 PMs, mas acabou sendo realizada apenas com policiais civis já que nenhum deles apareceu. Os suspeitos presos foram levados para a sede do Grupo de Operações Especiais (GOE), no Cordeiro, Zona Oeste do Recife. Foram cumpridos 29 mandados de prisão, sendo 25 de prisão temporária e quatro de prisão preventiva, além de 20 mandados de busca e apreensão domiciliar.

O impasse entre os militares e o Governo de Pernambuco permanece. Nesta terça, durante reunião realizada no Palácio do Campo das Princesas, uma comissão da categoria entregou novamente a pauta de reivindicações, composta por 18 itens, com destaque para o reajuste salarial de 50% para soldados e 30% para oficiais a partir de janeiro, melhores condições de trabalho e implantação do plano cargos e carreiras. Em contrapartida, o governo reforçou a disposição de garantir um reajuste de 14,55% a partir de junho. Em nota oficial, o Executivo afirmou que "a população não ficará desassistida durante a paralisação".

Entre a população o clima é de expectativa. Nas redes sociais é grande o número de pessoas que postam fotos de viaturas paradas nos quartéis ou postos de policiamento sem efetivo. Boatos sobre arrastões têm sido recorrentes, especialmente entre o público mais jovem.