ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quarta-feira, 26 de junho de 2013

PM REAGE À ARRASTÃO. SGT DO BOPE MORRE EM CONFRONTO



ZERO HORA 26 de junho de 2013 | N° 17473

OPERAÇÃO EM FAVELA

Pelo menos 10 morrem em ação do BOPE no Rio. Confronto entre traficantes e policiais no Complexo da Maré teve início após arrastão em manifestação



Pelo menos 10 pessoas morreram e cinco foram baleadas em confrontos entre policiais militares e traficantes de drogas no Complexo da Maré, na zona norte do Rio, entre o início da noite de segunda-feira e o fim da tarde de ontem.

Entre os mortos, estão um sargento do Batalhão de Operações Especiais (Bope), dois moradores e seis suspeitos de envolvimento com o tráfico. Foram detidos 10 homens.

O tiroteio começou por volta das 19h de segunda-feira, quando um grupo de criminosos iniciou um arrastão na Avenida Brasil, após uma manifestação. Policiais do 22º Batalhão da Polícia Militar entraram em confronto com traficantes. Os PMs, então, pediram o reforço do Bope.

No tiroteio inicial, morreram o sargento do Bope Ednelson Jerônimo dos Santos Silva, 42 anos, e o morador Eraldo Santos da Silva, 35 anos. Na madrugada, José Everton Silva de Oliveira, 21 anos, foi baleado e morreu. Os outros seis mortos, que, conforme a polícia, eram suspeitos de ligação com o tráfico, não haviam sido identificados até ontem. O décimo corpo foi resgatado na manhã de ontem pelo Corpo de Bombeiros. Com os corpos, os PMs dizem que foram apreendidos fuzis, pistolas, metralhadora, granada e grande quantidade de drogas.

Um dos detidos, identificado como Edvan Ezequiel Bezerri, 29 anos, é apontado como o autor do disparo que matou o sargento do Bope.


Complexo receberá UPP após visita do Papa

A favela permaneceu ocupada durante toda a madrugada de segunda e ontem. Cerca de 400 PMs participaram da operação. Nove escolas públicas não funcionaram ontem, prejudicando cerca de 7,5 mil alunos.

Moradores e organizações não governamentais (ONGs) que atuam na favela acusam policiais militares de terem invadido casas e executado algumas vítimas. A polícia nega. Formado por 15 favelas com 130 mil moradores, o Complexo da Maré, atualmente, é dominado por duas facções de traficantes de drogas e uma milícia. A região deverá ser ocupada pelas forças de segurança em agosto, para futura instalação de uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP). Há duas semanas, a PM realizou uma reunião com representantes de todas as associações de moradores da Maré. Segundo a diretora de uma ONG, na ocasião, foi dito que o conjunto de favelas começará a ser ocupado em agosto, logo depois da Jornada Mundial da Juventude (JMJ).