ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sexta-feira, 14 de junho de 2013

GOVERNADOR E SECRETARIO DEFENDEM AÇÃO DA PM DURANTE PROTESTOS


FOLHA.COM 14/06/2013 - 12h45


DE SÃO PAULO
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA


O secretário de Segurança Pública de São Paulo, Fernando Grella Vieira, defendeu nesta sexta-feira (14) a atuação da Polícia Militar durante o protesto contra o aumento da tarifa de transporte público ocorrido na noite de quinta (13).

"O compromisso da polícia é garantir a manifestação. Paralelamente, a polícia tem que evitar atos de abuso, atos criminosos, e é isso que tem feito", disse Grella Vieira, em entrevista ao telejornal "SPTV", da Rede Globo.

"A polícia vai continuar cumprindo esse papel", completou o secretário.

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) também saiu em defesa da PM.

Em entrevista no Palácio dos Bandeirantes, Alckmin disse que a corporação tem o dever de "proteger a população, garantir o direito de o comércio abrir e preservar o patrimônio público". Além disso, o governador afirmou que a PM agiu para evitar manifestações mais violentas.

Alckmin, porém, afirmou que atos abusivos de policiais serão investigados. "Não temos nenhum compromisso com o erro. A polícia tem uma corregedoria. Então será apurado qualquer abuso que tenha sido cometido. A polícia trabalha. Exceção, se houve um abuso isolado, isso vai ser rigorosamente apurado", afirmou.

Para o governador, o movimento tem duas características: "Primeiro que ele é político. Tem até em cidade em que nem aumento de tarifa houve. Estive ontem em Santos, não teve nenhum aumento, e teve o mesmo movimento. E o segundo é a violência."

Segundo o governador de São Paulo, 48 ônibus foram danificados durante o protesto de quinta-feira.

"A população é pacífica, o que temos são líderes de movimentos que põem fogo em ônibus e destroem patrimônios público e privado", concluiu.

HADDAD

Na manhã desta sexta-feira, o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, disse ao telejornal "Bom Dia SP", da Rede Globo, que é irreal a implantação de uma tarifa zero na cidade e que não existe a possibilidade de reduzir o valor da passagem, que aumentou de R$ 3 para R$ 3,20 no último dia 2.

Na quinta-feira, Haddad disse que as cenas de violência por parte da PM foram "lamentáveis e não condizem com São Paulo".

Manifestação contra o aumento das tarifas





















Luís Fernando Pereira Franchini
Caçamba bloqueia trânsito no Amaral Gurgel