ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quinta-feira, 13 de junho de 2013

LINCHA, TIRA A ARMA DELE. MATA!

FOLHA.COM 13/06/2013 - 03h40

'Lincha, mata', ouviu policial apedrejado durante protesto em SP

ANDRÉ MONTEIRO
GIBA BERGAMIM JR.
DE SÃO PAULO

"Lincha, lincha. Tira a arma dele. Mata", foram as frases ditas por manifestantes, segundo o soldado Wanderlei Paulo Vignoli, 42, que foi cercado e agredido durante protestos na Sé, anteontem.

Ele escapou de ser linchado após se atracar com um jovem que pichava o prédio do Tribunal de Justiça, como mostra vídeo publicado no site da Folha.

Ferido, apontou sua arma para os manifestantes para tentar contê-los, sem atirar. Depois, foi ajudado por outros integrantes do protesto e conseguiu fugir. Dois suspeitos de atacá-lo foram detidos.
Drago/selvaSP
Policial Militar aponta arma para se defender de agressores durante manifestação contra aumento da tarifa do transporte coletivo em SP
Policial Militar aponta arma para se defender de agressores durante manifestação contra aumento da tarifa do transporte coletivo
Vignoli teve um dia de popstar entre os colegas. Deu entrevistas, recebeu elogios públicos do governador Geraldo Alckmin (PSDB), de Paris, e foi convidado para almoçar com o comandante da PM.

Solteiro e sem filhos, ele mora no centro, diz não ter carro e andar de ônibus e metrô. "Só não pago tarifa quando estou fardado."
*
Folha - O que aconteceu?

Soldado Wanderlei Paulo Vignoli - Atuo na segurança do Tribunal de Justiça e nosso dever ali é proteger a saída de funcionários, desembargadores e juízes e também a população que sai do metrô e passa pela região. Em terceiro, evitar danos ao patrimônio. Quando tentava impedir que uma pessoa pichasse o muro do TJ, 20 ou 30 pessoas começaram a jogar pedras e objetos em mim. Quando levei a pancada, fiquei meio atordoado, sem saber o que estava acontecendo. Logo eu escutei: "Lincha, lincha, toma arma dele. Mata".

Você pensou em atirar?
Somos treinados para manter o autocontrole, só atirar no limite. Entendi que, mesmo tendo sido atingido com pedradas, não era o limite para usar arma de fogo, até porque nenhum manifestante usou arma de fogo. Temos que usar a voz, a intimidação, foi o que eu procurei usar.

Teve medo de morrer?
Com certeza. Essa foi a situação de maior gravidade pela qual passei. Quando escutei "lincha e mata", pensei que estava complicado.

Você chegou a apontar a arma.
Isso, para dizer: "Não se aproxime". E também pensei que no meio daquela manifestação estavam passando diversas pessoas que voltavam do trabalho e que não tinham nada a ver com ela. Acredito que a grande maioria foi ali para depredar os prédios públicos, o comércio e até as pessoas que tentaram impedir a ação deles.

Você estava sozinho.
O treinamento que temos é que o PM não deve ficar só, mas acabou sendo uma situação atípica. Pensei que, se corresse, levaria chutes. Se caísse, ficaria mais difícil conter.

Você se atracou com o rapaz?
O rapaz que estava pichando ficou assustado. Quando percebeu que levei a pedrada, ficou sem reação. Não percebi agressão dele contra mim.

Você percebeu que outro grupo de manifestantes o ajudou?
Percebi que os PMs que fazem parte do TJ me cercaram com mais umas três pessoas. Mas acredito que pode ter havido, sim, uma meia dúzia de manifestantes que viu que acabou saindo do limite e tentou, sim, me ajudar.

O que acha dos protestos?
Nem a instituição nem eu somos contra manifestação. Quando a PM segue o protesto não é para reprimir, mas para manter a segurança. Mas há pessoas maldosas no meio que estão subvertendo esse direito.

Você anda de ônibus?
Uso ônibus ou metrô. Moro aqui na região central e não tenho carro, mas sei dirigir.

Você paga condução?
Pago. O PM só não paga fardado.

O que você acha da passagem a R$ 3,20?
Quem pode dizer isso é especialista.

Os manifestantes pedem tarifa zero. O que você acha?
Eu também gostaria, né? Mas acho que nem os países de Primeiro Mundo chegaram a esse patamar. A restauração do TJ custou mais de milhões e demorou um ano. Eles têm que entender que esse dinheiro [para restaurar] vai sair do bolso da população.
Eduardo Knapp/Folhapress
Vignoli (à esq.), agredido durante protesto; com ele, o cabo Ramalho e a soldada Wilma, também feridos no confronto
Vignoli (à esq.), agredido durante protesto; com ele, o cabo Ramalho e a soldada Wilma, também feridos no confronto