ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quinta-feira, 20 de junho de 2013

PM PASSA DE VÍTIMA A SUSPEITO DE ASSALTO

ZERO HORA 20 de junho de 2013 | N° 17467

LADO ERRADO

Soldado foi preso por suposto envolvimento em ataque a banco que aterrorizou Sarandi em maio



Ferido e levado como refém em uma perseguição, um dos soldados rendidos durante um assalto que aterrorizou os moradores de Sarandi no mês passado, no norte do Estado, passou de vítima a suspeito. A investigação sobre o caso apontou a participação do policial militar Silmar dos Santos Alves, 29 anos, no ataque a uma agência do Banco do Brasil.

Osoldado da Brigada Militar foi preso preventivamente ontem. De acordo com o delegado Márcio Marodin, o PM passou a ser suspeito depois da análise das contas de celulares usados pela quadrilha:

– Descobrimos que os telefones tinham sido habilitados em nome de pessoas abordadas pelo policial.

Conforme Marodin, o soldado Alves teria fornecido dados – como o número de CPF – dessas pessoas à quadrilha. Eles ainda tiveram o cuidado de usar documentos de pessoas de fora de Sarandi, abordadas durante feira que ocorreu no município.

– Ainda estamos investigando a participação dele na quadrilha, que seria da Região Metropolitana.

Em depoimento, o soldado negou envolvimento no crime. Ele foi encaminhado ao 3º Regimento de Polícia Montada (3ºRPMon), em Passo Fundo, onde ficará à disposição da Justiça. Conforme o delegado, o inquérito deve ser concluído em 10 dias.

O soldado era tratado como vítima no início da investigação. Ele e um colega foram rendidos pelos bandidos, no dia 6 de maio. Os PMs foram abordados por quatro assaltantes enquanto faziam um patrulhamento de rotina, a cerca de uma quadra da agência bancária. Eles foram desarmados e Alves ainda teve o colete à prova de balas retirado por um dos criminosos.

Policiais foram feridos durante fuga de bando

Em seguida, o bando levou os policiais ao banco, onde 40 pessoas tornaram-se reféns, entre funcionários e clientes. Todos foram usados como escudo humano para que os assaltantes deixassem a agência sem serem feridos por policiais civis, que estavam na entrada do local.

Na fuga, os PMs foram colocados no porta-malas do veículo usado pela quadrilha. Durante a perseguição, o carro colidiu com uma caminhonete, e os soldados ficaram feridos.

Dois dos assaltantes se entregaram e outro foi preso dias depois. A Polícia Civil ainda tenta identificar outras pessoas envolvidas com o bando.

FERNANDA DA COSTA