ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quinta-feira, 27 de junho de 2013

CONFRONTO ENTRE POLICIAIS CIVIS E TRAFICANTE DEIXA UMA CRIANÇA FERIDA


ZERO HORA 27 de junho de 2013 | N° 17474

PORTO ALEGRE - Troca de tiros termina com uma criança ferida


Os policiais procuravam por uma pistola .380 na manhã de ontem, em uma casa no bairro Bom Jesus, em Porto Alegre. Acabaram sendo recebidos a tiros por um suposto gerente do tráfico ligada à quadrilha dos Bala na Cara. Na troca de tiros, o filho do suspeito, de seis anos, acabou ferido com um tiro de raspão na cabeça. O menino foi encaminhado ao Hospital São Lucas, sem maior gravidade.

Eram 9h30min quando os agentes da 10ª Delegacia da Polícia Civil chegaram à casa no fundo de um beco da Rua Alfredo Ferreira Rodrigues para o cumprimento de um mandado de busca. Ao bater na porta e anunciar que era a polícia, um dos investigadores abriu uma janela da casa e só teve tempo de desviar a cabeça para fugir do primeiro disparo.

Munido de um revólver calibre 38, Rodrigo Silveira da Silva, 28 anos, teria disparado pelo menos quatro vezes contra os policiais antes de recuar e recarregar a arma. Diante da reação de pelo menos dois agentes, ele teria voltado a disparar outras vezes antes de se entregar.

De acordo com o delegado Abílio Pereira, depois de recarregar a arma, Rodrigo teria segurado o filho no colo e o usado como escudo. A família, no entanto, diz que o tiro que atingiu o menino teria partido dos policiais. O trabalho da perícia, que ontem fez o levantamento do local, vai determinar de onde partiu a bala que atingiu o menino.

– Ele colocou em risco a vida de todos naquele momento – aponta o delegado Abílio Pereira.

Na casa, os policiais encontraram 65 pedras de crack, munições de calibre 38, de fuzil 7.62 e dois carregadores de pistola 9mm.

Quadrilha teria feito arrastão em abril

Rodrigo era investigado como suspeito pela receptação da pistola de um PM, roubada durante um arrastão entre os bairros Santana e Bom Fim, em abril. Dois suspeitos pelos roubos em sequência a dois supermercados e a uma lanchonete, onde estava o PM, já foram detidos. Um deles, adolescente e atualmente na Fase, é irmão de Rodrigo.

A ação de ontem teve também o apoio dos policiais da 19ª DP. Isso porque a dupla reconhecida pelos assaltos também atuaria contra mercados na região do Morro da Cruz, zona leste da Capital, nos últimos três meses. Uma casa em Viamão também teria sido roubada pelo grupo.

Com a prisão de Rodrigo, agora os policiais investigam a possibilidade de que ele tenha participação direta nos assaltos, como motorista do carro usado pelos bandidos.

EDUARDO TORRES