ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sábado, 20 de outubro de 2012

SUSPEITO DE MATAR POLICIAL MORRE EM TIROTEIO COM A PM EM SP

 19 de outubro de 2012 | 7h 26

Homem seria o responsável pelo assassinato do soldado da Cavalaria Vaner Dias, no dia 20 de junho

Ricardo Valota - Agência Estado

SÃO PAULO - Um rapaz suspeito de participação no assassinato de um policial militar morreu em suposta troca de tiros com a PM na noite desta quinta-feira (18), na Favela Elba, região do Sapopemba, na zona leste de São Paulo.

Policiais da Força Tática, com a informação de que o suspeito, conhecido como "Globinho", preparava um ataque contra um sargento, foram até o local indicado, próximo à Rua dos Espigueiros.

Com a chegada dos policiais, o suspeito, armado com pistolas, segundo a PM, tentou fugir por um escadaria, porém teria atirado contra os PMs, que revidaram. Baleado, "Globinho" morreu quando era socorrido em um hospital da região.

O rapaz, segundo a PM, era suspeito de participar na morte do soldado Vaner Dias, de 35 anos, que atuava na Cavalaria. O crime ocorreu no dia 20 de junho dentro de uma academia, no Jardim Vila Formosa, onde o soldado era instrutor de jiu-jítsu. O tiroteio foi registrado e será investigado no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).