ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

REMENDOS DO IGP

O SUL, 03/10/2012


WANDERLEY SOARES

Os peritos são de fundamental importância para os milhares de inquéritos empilhados nas delegacias

O IGP (Instituto-Geral de Perícias), que compõe com a Brigada Militar, Polícia Civil e Susepe (Superintendência dos Serviços Penitenciários), o complexo da Secretaria da Segurança do RS, tem 80 concursados no aguardo de nomeação.

 No entanto, este mesmo órgão, fundamental para o funcionamento dos trabalhos que envolvem milhares de inquéritos empilhados nas delegacias, promove remendos com contratos emergenciais ou com o pagamento de horas extras a seus exauridos funcionários. Se faltam peritos, médicos legistas, auxiliares e papiloscopistas, existem 80 no banco de reserva do Estado querendo entrar em campo. 

Isto, naturalmente, faz parte da transversalidade da política da segurança pública gaúcha, que não é afeita a nenhuma tipo de crítica, a não ser aquelas da linha exaltação