ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

DELEGADO E AGENTES DA PC NEGAM EXTORSÃO À TRAFICANTE

ZERO HORA. 30/10/2012 | 22h03

Delegado suspeito de extorsão se entrega à polícia e é preso. Com ajuda de agentes e detetive, titular da 16ª DP da Capital teria exigido dinheiro de suposto traficante para não prendê-lo

JOSÉ LUÍS COSTA

O delegado Antônio Waldyr Martins Guimarães, titular da 16ª Delegacia da Polícia Civil de Porto Alegre, no bairro Restinga, foi preso na noite desta terça-feira. Ele é suspeito de exigir R$ 60 mil de um suposto traficante para não prendê-lo. Conforme investigação da Corregedoria da Polícia Civil (Cogepol), a cobrança teria sido arquitetada pelo delegado em parceria com dois agentes da corporação e com ajuda de um detetive particular, informante da polícia. O escrivão Luís Carlos Ceconelo de Almeida, que atuava como chefe de investigações da DP, foi preso à tarde na 3ª Delegacia da Polícia de Pronto Atendimento (DPPA), onde estava trabalhando. Procurado no endereço residencial, o escrivão Paulo Roberto Araújo de Oliveira, conhecido como Paulinho Jogo Duro, não foi encontrado e é procurado pela polícia. Já o delegado Guimarães se entregou. Eles ficarão presos no Grupamento de Operações Especiais (GOE), localizado no Palácio da Polícia.

A prisão dos três e a suspensão do exercício da função pública haviam sido decretadas na tarde desta terça-feira pela Justiça. O trio já havia sido deslocado de funções e indiciado pela Cogepol por crimes de concussão (extorsão praticada por servidor público) e formação de quadrilha. O detetive também foi indiciado por extorsão e formação de quadrilha. Ele foi preso em flagrante por porte ilegal de arma.

O episódio que gerou os indiciamentos e as prisões teria acontecido em 18 de outubro. Segundo o inquérito da Cogepol, o delegado, acompanhado de Almeida, Oliveira, escrivão da 1ª Delegacia de Pronto Atendimento, e do detetive Ben Hur Fagundes Gonçalves, foi a um prédio no bairro Cristo Redentor para uma batida no apartamento de homem suspeito de tráfico (o nome não foi revelado).

O detetive saberia que o homem teria cerca de R$ 50 mil em casa, pois iria ao Paraguai buscar drogas. Conforme o inquérito, os agentes, acompanhados do detetive, que portava irregularmente uma pistola calibre .380, entraram no apartamento com um documento que seria um mandado de busca, revistaram a moradia, mas nada encontraram. A entrada dos policiais e do detetive no prédio, e a saída, uma hora depois, foram gravadas por câmeras de vigilância.

Por não ter encontrado nada ilegal, os policiais teriam exigido R$ 60 mil do traficante — R$ 30 mil deveriam ser entregues naquela mesma noite, e o restante em duas semanas. Caso contrário, o traficante seria preso.

Entrega de dinheiro seria na frente de hospital

O homem, que está quite com a Justiça — já cumpriu pena por tráfico —, procurou a Cogepol e contou sua versão. Às 21h daquela quinta-feira, ele deveria entregar a primeira parte do dinheiro para o detetive. O encontro era na frente do setor de emergência do Hospital Cristo Redentor. Na hora combinada, o homem estava lá, mas sem o dinheiro. Assim que o detetive apareceu, foi preso em flagrante. Segundo a Cogepol, do lado oposto da Avenida Assis Brasil, os dois escrivães esperavam pelo detetive em um posto de combustíveis.

— Quando eles viram a movimentação policial, sumiram, mas câmeras captaram imagem deles — diz o delegado Paulo Rogério Grillo, da Delegacia de Feitos Especiais da Cogepol.

Em depoimento, os quatro envolvidos no caso negaram os crimes.

Uma devassa na 16ª DP

A queixa contra o delegado Antônio Waldyr Martins Guimarães levou a Corregedoria da Polícia Civil (Cogepol) a uma inspeção correcional na 16ª Delegacia da Polícia Civil, no bairro Restinga, comandada por Guimarães até segunda-feira desta semana.

A devassa começou ontem, com análise de ocorrências, depoimentos e documentos com objetivo de verificar eventuais indícios de irregularidades em elucidações de crimes.

Conforme o delegado Paulo Rogério Grillo, da Cogepol, a ida ao apartamento do homem apontado como traficante não estava formalizada em nenhum documento oficial de investigação na 16ª DP:

– Procuramos algum registro, relatório, pedido de escuta ou ordem de serviço, mas não encontramos.

Em 2001, Guimarães já respondeu a inquérito por extorsão, formação de quadrilha e abuso de autoridade. O escrivão Luís Carlos Ceconelo de Almeida já foi indiciado por extorsão, e o escrivão Paulo Roberto Araújo de Oliveira foi preso duas vezes por suspeita de extorsão. Em nenhum dos casos, os três policiais foram condenados. O detetive Ben Hur Fagundes Gonçalves já foi preso por porte ilegal de arma, em 2009, e investigado como suspeito de envolvimento na morte do vice-presidente do Conselho Regional de Medicina, Marco Antônio Becker, em 2008.

Contraponto

O que diz o delegado Antônio Waldyr Martins Guimarães - “Não tenho nada a ver com essa tentativa de extorsão. Vou esperar a decisão do Judiciário para depois me manifestar sobre o caso”

Zero Hora tentou ouvir os escrivães Luís Carlos Ceconelo de Almeida e Paulo Roberto Araújo de Oliveira e o detetive particular Ben Hur Fagundes Gonçalves, mas não conseguiu contato com eles ou com os advogados deles até o fechamento desta edição.