ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

SE EU NÃO REAGISSE. ELE IA ME ESFAQUEAR

ZERO HORA 23/01/2013 | 01h26


"Se eu não reagisse, ele ia me esfaquear", diz PM que atirou em homem em trem. Confusão aconteceu na tarde desta terça-feira dentro da estação Anchieta

Letícia Costa



Natural de Passo Fundo, o soldado da Brigada Militar Vinicius Alves de Souza, 28 anos, estava na Estação Anchieta para se deslocar à rodoviária. Pegaria um ônibus até a cidade natal para ver a mulher, grávida de sete meses, mas foi chamado para intervir na ocorrência em que José Betamin Nunes, armado com uma faca, estaria ameaçando passageiros em um dos vagões da Trensurb.

Após alguns minutos de negociação, o policial o convenceu sair do trem. Nesse momento, Nunes teria tentado atingir o policial, que revidou com um tiro. O projétil ultrapassou o abdômen do suspeito e acabou atingindo a canela esquerda de um passageiro. Em entrevista a ZH, Souza conta o que aconteceu.

Zero Hora — Como foi a ação?

Vinicius Alves de Souza — Estava indo à rodoviária para ir para Passo Fundo. O trem estava parado. Me viram, fardado, e me chamaram, dizendo que tinha um homem com uma faca no vagão. Quando o vi, pedi que saísse, e ele disse "daqui, não saio. Só se me der um tiro". Falei umas quatro vezes que só queria conversar com ele, mas ele virou a faca na mão e veio no embalo para me atingir. Daí, Atirei.

ZH — O senhor não ficou com receio de atingir passageiros?

Souza — O vagão já estava parado, pois todo mundo estava de olho no cara com a faca, pelas câmeras. Na hora que ele investiu contra mim, não tinha o que fazer. Consegui visualizar bem ele, tanto que pegou no abdômen, mas a situação teve o azar de a bala sair pelas costas e acertar uma pessoa que não tinha nada a ver.

ZH — O que o senhor achou que o homem faria com a faca?

Souza — Me falaram que ele estava ameaçando outros passageiros. Se eu não reagisse, ele ia me esfaquear.


ZERO HORA 22/01/2013 | 18h51

Policial atira em suspeito que ameaçava passageiros com uma faca no Trensurb. Após confusão, composição ficou parada por cerca de 20 minutos


Perícia colheu provas na Estação Anchieta, em Porto Alegre, onde aconteceu o incidente
Foto: Félix Zucco / Agencia RBS

Um incidente na estação Anchieta do Trensurb, em Porto Alegre, acabou com duas pessoas feridas por volta das 17h30min desta terça-feira. Um soldado da Brigada Militar disparou contra um homem que estava com uma faca dentro do trem e ameaçava passageiros.

Em depoimento à polícia, o brigadiano Vinicius Alves de Souza, 28 anos, disse que estava aguardando o trem quando pessoas saíram assustadas do vagão e relataram que havia um homem armado com uma faca ameaçando os passageiros. Então, ele teria pedido a José Betamin Nunes, 33 anos, que saísse para eles conversarem.

Após alguns minutos de negociação, o policial o convenceu sair do trem. Nesse momento, Nunes teria tentado atingir o policial, que revidou com um tiro. O projétil ultrapassou o abdômen do suspeito e acabou atingindo o passageiro Jorge Luis da Rosa Vidal, 50 anos, na canela esquerda, onde ficou alojado.

Segundo o delegado Filipe Bringhenti, titular da 2ª Delegacia de Polícia de Homicídios e Proteção à Pessoa, o suspeito vinha sendo monitorado pela empresa, após funcionários da bilheteria avisarem que o homem estava armado. Seguranças da Trensurb afirmaram que ele seria abordado na estação Niterói, onde havia efetivo para realizar a ação.

A operação gerou tumulto entre os passageiros e interrompeu o percurso por cerca de 20 minutos. Roger do Amaral, 25 anos, estava no trem, porém em outro vagão. Ele relatou que, assim como ele, várias pessoas desceram do trem assustadas. Algumas entraram em outros vagões e outras ficaram do lado de fora.

– Nem vi direito o que aconteceu. Algumas pessoas saíram correndo do trem quando chegamos na estação, pois o cara estava com a faca na mão. O pessoal que não conseguiu sair ficou assustado com o tiro, alguns chegaram a se jogar no chão. Depois vieram a Brigada e o Samu e o trem saiu após uns 10 minutos – relata.

Os dois atingidos foram levados pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) para o Hospital Cristo Redentor. Conforme a assessoria da instituição, o estado de Vidal era estável e, após ser atendido, ele deveria ser liberado na noite desta terça-feira.

Nunes estava em estado grave e passou por cirurgia no início da noite de terça. Segundo o delegado, ele foi autuado em flagrante por tentativa de homicídio contra policial e, após ser liberado pelo hospital, será ouvido e encaminhado ao Presídio Central. Como ficou comprovado que o soldado agiu em legítima defesa, o inquérito não irá adiante.


COMENTÁRIO DO BENGOCHEA - Policial sem o bastão de defesa, sem uma arma de choque e sem uma prática aprimorada em técnicas de imobilização, depois da negociação só pode usar o único instrumento de defesa que possui no momento: a arma que está portando. Vão querer o que diante de uma pessoa atacando com arma branca, uma arma letal em confronto aproximado?