ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

PM É FERIDO AO LUTAR COM TRAFICANTE


24 de janeiro de 2013 | N° 17322

EM CONFRONTO

PM é ferido ao lutar com traficante. Soldado foi baleado com a própria arma ao entrar em luta corporal com bandido na Capital


ALINE CUSTÓDIO

Um experiente policial está entre a vida e a morte após tentar prender sozinho um criminoso, no Campo da Tuca, na zona leste da Capital. O soldado Marcelo Fogaça Rocha, 41 anos, do 19º Batalhão de Polícia Militar, foi baleado na barriga com a própria arma – uma espingarda calibre 12 – durante uma abordagem por volta das 6h15min de ontem.

Conforme o comandante em exercício daquele batalhão, major Alexandre da Rosa, o PM foi ferido quando tentava prender Ivan Claudionor Lopes Simões, 32 anos, suspeito de envolvimento com o tráfico, na Rua C, no Campo da Tuca, bairro São José.

– O soldado Fogaça e outro colega abordaram o táxi onde estava o suspeito, que carregava um revólver de calibre 38. Simões desceu do carro e entrou em luta corporal com Fogaça. Ele conseguiu pegar a arma do policial e atirou contra o PM – relata o oficial.

O mais curioso no episódio é que Simões, que tem antecedentes por tráfico e formação de quadrilha, já estava ferido. Ele fora atingido por dois tiros duas horas antes, quando uma guarnição o surpreendeu e a outros sete indivíduos em frente a uma boca de fumo na região do Campo da Tuca. Os suspeitos teriam disparado ao fugir, e os policiais revidaram, acertando Simões, que escapou. Os policiais chamaram reforços e foi então que Fogaça e um colega chegaram à Tuca, para ajudar.

Apesar de usar colete à prova de balas, Fogaça acabou atingido entre a virilha e o abdômen. O próprio comandante reconhece que o PM está um pouco acima do peso e por isso o colete fica mais curto no corpo. O disparo – três balins de chumbo contidos dentro de um cartucho da espingarda – acertou justo na parte desprotegida, próxima à virilha, rompendo artérias, intestino e outros órgãos internos.

Simões, que já estava ferido, foi preso pelos colegas do PM. O soldado passou por uma cirurgia no Hospital São Lucas, da PUCRS, e permanecia em estado gravíssimo até a noite de ontem. Durante todo o dia, policiais militares mantiveram a ação no Campo da Tuca, com abordagens.

Casado e pai de dois filhos, Fogaça está na Brigada Militar há 15 anos.