ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sábado, 26 de janeiro de 2013

MORTES EM CONFRONTOS COM A PM CRESCEM 40%

O Estado de S. Paulo 26 de janeiro de 2013 | 0h 01

Foram 323 casos em 2012 só na capital; nº reflete ‘guerra velada’ entre PM e PCC

Daniel Trielli, Bruno Ribeiro e Tiago Dantas



SÃO PAULO - O número de pessoas mortas em confronto com a Polícia Militar aumentou 40,4% entre 2011 e 2012 na cidade de São Paulo. No ano passado, foram 323; no anterior, 230. O número é um forte indicativo da guerra não declarada entre a polícia e o crime organizado no ano passado, especialmente se considerado o ritmo que essa alta teve durante 2012.

Se comparados os primeiros trimestres de 2011 e de 2012, a alta foi d e 10,3%. Na comparação entre os segundos trimestres, ela até foi mais fraca: 8,6%. Mas no terceiro trimestre, quando a violência na capital atingiu o ápice do ano, o índice dobrou. Foram 92 casos entre julho e setembro em comparação com os 45 dos mesmos meses de 2011.

Na comparação entre os últimos trimestres de 2011 e de 2012, o número de mortos em confronto com a PM aumentou 59,6%. No Estado inteiro, 547 foram mortas em confronto com policiais militares no ano passado, uma alta de 25,2% em comparação a 2011.

Postura. Para o coronel da reserva da PM e ex-secretário nacional de Segurança Pública José Vicente da Silva Filho, o aumento nos números de mortos em confrontos com a polícia e homicídios têm a mesma causa. "A polícia assumiu uma postura desde abril que foi de combater os pontos de venda de drogas no varejo. E isso provocou uma reação de alguns grupos criminosos. E temos, infelizmente, o efeito de manada." Por outro lado, segundo o coronel, a polícia aumentou em cerca de 10% o número de prisões em flagrante, uma mostra de que os policiais estão mais na rua.

Já o presidente da Comissão de Segurança Pública da Ordem dos Advogados do Brasil seção São Paulo (OAB-SP) Arles Gonçalves Júnior, diz que, com a troca de comando da cúpula da Segurança Pública, as polícias estão tendo uma nova postura, de investigação no lugar do enfrentamento. "Se essas políticas persistirem, deveremos verificar queda nos índices de homicídios", afirma.

Nomenclatura. Os casos de mortes em confrontos com a PM são registrados como "resistências seguidas de morte", e não contam os homicídios dolosos e culposos cometidos por policiais militares. Um exemplo de caso que não entraria nessa conta é a primeira chacina de 2013, no Campo Limpo, na zona sul. Anteontem, seis PMs foram presos acusados de matar sete pessoas no dia 4.

A classificação de "resistência seguida de morte" é contestada pelo Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana, da Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República. Em resolução aprovada em novembro, o órgão pede a abolição do termo e a investigação de todas as mortes envolvendo policiais.

Policiais. Os policiais também foram vítimas da guerra não declarada no ano passado. Nove PMs morreram em serviço no ano passado, um a menos que em 2011. No entanto, os dados não mostram quantos policiais foram executados em suas folgas. Até o dia 28 de dezembro, 106 PMs morreram ao todo no Estado. Mas não foi divulgado quantos foram assassinados em 2011.

Vítima. A mais recente vítima desse confronto foi um policial militar de folga assassinado na madrugada de anteontem, em posto de combustível do Jardim Itapark, em Mauá, na Grande São Paulo. Segundo a PM, ele havia parado seu carro para abastecer quando três homens apareceram e atiraram. A polícia não confirmou se os criminosos estavam a pé ou se chegaram em algum veículo. Depois de atirar, eles fugiram.

Testemunhas chamaram por socorro e a primeira equipe a chegar foi um carro da própria PM. Os colegas levaram o policial ferido até o pronto-socorro do Hospital Municipal Nardini, onde o PM chegou a ser socorrido, mas não resistiu aos ferimentos.

O nome do policial não foi informado pela SSP. Os policiais não confirmaram se a ação foi filmada por câmeras do posto nem disseram se havia alguma pista sobre os acusados.


O Estado de S. Paulo 25 de janeiro de 2013 | 19h 23

Em 2012, homicídios crescem 34% em São Paulo. 
Dados da Secretaria de Segurança Pública mostram que, no Estado, índice cresceu 15% em relação a 2011

Daniel Trielli

SÃO PAULO - O número de homicídios na cidade de São Paulo cresceu 34% em 2012 em relação ao ano anterior. Os dados foram divulgados nesta sexta-feira, dia 25, pela Secretaria de Estado da Segurança Pública. Foram 1.368 mortes no ano passado, contra 1.019 em 2011. As estatísticas da criminalidade também revelaram crescimento de 15% no número de homicídios em todo o Estado. Em 2012, foram registrados 4.833 casos ante 4.194 crimes em 2011.