ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

EQUIPE ESPECIALIZADA PARA COMBATER ATAQUES A JOALHERIAS E ÓTICAS

ZERO HORA 18/01/2013 | 03h49

Aumento nos ataques a joalherias e óticas faz polícia criar equipe especializada. Número de assaltos a esses estabelecimentos aumentou 144% em dois anos


Bombeiros usaram mangueira para jogar água em mochila com falsa bomba deixada em lojaFoto: Tadeu Vilani / Agencia RBS


Um sequestro que terminou em roubo a joalheria na quinta-feira dentro do Praia de Belas, em Porto Alegre, somado a uma série de outros ataques no RS, mostra que o mercado clandestino de ouro e pedras preciosas alimenta o crime.

O delegado Juliano Ferreira, da Delegacia de Repressão a Roubos do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), reconhece o aumento no número de assaltos a joalherias e óticas no Estado. Até por causa disso, há dois anos a delegacia criou uma equipe especializada na investigação de assaltos a joalherias, que auxilia delegacias do Interior.

Nos últimos cinco anos, a polícia registrou 150 assaltos a joalherias e óticas gaúchas, 44 deles em 2012. Se comparado com 2010, quando foram registrados 18 assaltos no total, o saldo do ano passado é 144% maior.

Uma explicação possível para a escolha dos assaltantes é que joalherias são muito menos guarnecidas que bancos e, por vezes, guardam valores (em metais) muito maiores que uma agência bancária. O receptador pode revender o material ou até derretê-lo, para fazer novas joias.

Ferreira afirma que as ações não são consequência de quadrilhas especializadas. Segundo ele, esses casos, registrados em sua maioria no Interior, tratam-se de pequenos roubos praticados por bandidos das próprias regiões. Ele considera a situação diferente da vivida na Capital há alguns anos, em que quadrilhas realizavam grandes roubos a joalherias, com prejuízos de mais de R$ 100 mil às lojas. Hoje, esse tipo de ataque se tornou mais raro, mas ainda existe, admite o delegado, citando o ataque de quinta:

— Chama a atenção pela forma como praticaram, a organização, diferente no que se refere aos outros assaltos a joalherias. Certamente estudaram a rotina dela (a subgerente sequestrada) e da loja.

O delegado acredita que não há grandes receptadores no Estado. A maior parte das joias roubadas seria repassada para ourives das próprias regiões atacadas.

A onda dos assaltos a joalherias preocupa a Brigada Militar. Segundo o coronel Altair de Freitas Cunha, subcomandante-geral da corporação, a BM pretende contar com os comandos regionais para criar patrulhas especiais nos locais onde há maior ocorrência dos crimes.

— A ideia é formar uma estrutura de patrulha para reforçar a ação de prevenção nessas regiões, principalmente em cidades com poucos policiais. A ação deve se iniciar depois de contabilizarmos os dados e mapearmos os assaltos — afirma.