ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

ALTERAÇÃO DE LOCAL DE CRIME

Imagens flagram policiais da Rota em suposta alteração de cena de crime em SP - O GLOBO, 21/12/2010 às 19h58m, SPTV


SÃO PAULO - Três acusados de tráfico de drogas estão soltos, porque policiais militares das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota) teriam alterado a cena do crime. Uma juíza revogou a prisão depois de ver as imagens gravadas por câmeras de segurança de um depósito de material de construção, no parque Santa Madalena, periferia da Zona Leste de São Paulo, local onde supostamente estaria armazenada a droga.

As imagens foram gravadas em outubro do ano passado. Na época, os policiais registraram a ocorrência como um flagrante de apreensão de drogas. As imagens mostram quando policiais da Rota aparecem do lado de fora do galpão conferindo o pó branco. Já dentro do galpão, eles tiram os sacos da mala e começam a despejar o conteúdo num tambor. Segundo o boletim de ocorrência, lavrado pelos próprios policiais, o pó branco seria cocaína.

Vários policiais entram e saem do galpão. Assim que um deles percebe que o grupo está sendo gravado, dá um tapa na câmera. Em seguida outros policiais saem à procura da central que controla as gravações. Eles encontram outra câmera, que também é danificada.

O monitoramento do circuito interno, no entanto, estava sendo feito de um outro lugar.O dono do depósito, um funcionário e a mulher dele tiveram a prisão preventiva decretada por tráfico de drogas. E não foram presos porque as imagens foram parar na Justiça. Depois de assistir à gravação, a juíza Daniela Martins de Castro revogou a prisão dos acusados e encaminhou o vídeo para a corregedoria da Polícia Militar, a Secretaria de Segurança Pública, a Justiça Militar e pediu providências.

No despacho, a juíza diz que as imagens mostram que os policiais mexeram na droga e alteraram a cena do crime. E, por esse motivo, as provas contra os acusados ficaram comprometidas. A corregedoria da PM instaurou um inquérito para investigar a conduta dos policiais. A apuração está sendo acompanhada pela Justiça Militar. Os PMs que aparecem no vídeo foram afastados no começo das investigações. Mas a corporação não confirma se eles voltaram às ruas.

A PM disse ainda que o caso está em segredo de Justiça e que repudia qualquer comportamento do tipo por parte de policiais militares.

SPTV: Veja imagens das câmeras flagrando a ação dos policiais

http://video.globo.com/Videos/Player/Noticias/0,,GIM1397268-7823-TRES+ACUSADOS+DE+TRAFICO+ESTAO+SOLTOS+POR+QUE+PMS+TERIAM+ALTERADO+A+CENA+DO+CRIME,00.html