ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

domingo, 17 de agosto de 2014

POLICIAIS SUSPEITOS DE EXTORSÃO

DIÁRIO GAÚCHO 15/08/2014 | 20h41


Policiais civis suspeitos de extorsão têm prisão decretada em Alvorada. Agentes teriam pedido R$ 5 mil para não indiciar homem por homicídio



Dois policiais civis suspeitos de extorsão tiveram a prisão decretada no final da tarde desta sexta-feira, pela 2ª Vara Criminal de Alvorada, na Região Metropolitana. Eles teriam pedido R$ 5 mil a um homem para não indiciá-lo por homicídio.

Conforme a investigação da Corregedoria-Geral da Polícia Civil, um intermediário teria efetuado as negociações com a vítima, suspeito de ser o responsável por um assassinato. O homem, um empreiteiro que teria ligação com os policiais e com a vítima, foi preso há duas semanas.

Os policiais trabalhavam na 1ª Delegacia de Alvorada, especializada em homicídios, mas estavam afastados das funções desde a prisão do empreiteiro. Segundo o delegado Paulo Rogério Grillo, eles ainda não foram localizados, mas a Corregedoria espera que eles se apresentem em breve. Os agentes devem ficar detidos na sede do Grupamento de Operações Especiais, no Palácio da Polícia, em Porto Alegre.

Na terça-feira, cinco policiais civis suspeitos de roubo de carga de cigarros foram presos. Há pouco mais de dois meses, os agentes — lotados na Delegacia de Roubos e Extorsões — descobriram que uma carga contrabandeada do Paraguai seria descarregada em um sítio em Tapes, no Sul do Estado. Eles simularam uma operação na qual foram apreendidas 330 caixas de cigarro. Na ação, usaram uma caminhonete da Polícia Civil, uma viatura discreta e um caminhão fretado.
O problema é que a carga apreendida nunca foi entregue à polícia ou à Justiça. Com base numa queixa feita pelas próprias pessoas que perderam a mercadoria, a Corregedoria da Polícia Civil começou a investigar o caso. Imagens de câmeras da EPTC e da Concepa provaram que os três veículos se deslocaram em comboio.

Parte da carga foi encontrada pela Corregedoria na residência de um homem que seria informante dos policiais, no bairro Santo Onofre, em Viamão.O valor de venda da carga roubada é avaliado em cerca de R$ 250 mil.