ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

POLICIA DO MISSOURI DIVULGA NOME DE POLICIAL QUE MATOU JOVEM NEGRO

O ESTADO DE S. PAULO 15 Agosto 2014 | 10h 59

A polícia afirmou que Darren Wilson foi o oficial que atirou em Michael Brown; circunstâncias ainda não foram esclarecidas




Caso gerou protestos em Ferguson, no Estado americano de Missouri


FERGUSON - O policial que atirou e matou o adolescente negro Michael Brown em Ferguson, nos EUA, foi identificado nesta sexta-feira, 15, como Darren Wilson, informou a polícia local.

A polícia tem sido lenta em divulgar informações sobre a morte de Brown, dizendo apenas que aconteceu em uma briga entre um policial e o jovem. O oficial foi tratado em um hospital por um inchaço no rosto.

Dorian Johnson, que estava andando com Brown no momento disse em entrevistas que o adolescente colocou as mãos para cima e não lutou contra o policial. Segundo a versão da testemunha, o oficial atirou diversas vez na cabeça e no peito de Brown. Uma autópsia preliminar confirmou que Brown sofreu diversos disparos, segundo relatos da mídia.

Johnson deveria se reunir na quarta com promotores e investigadores. O advogado dele, Freeman Bosley, ex-prefeito de St. Louis, não respondeu imediatamente a pedidos de comentários.

Outra testemunha, Tiffany Mitchell, disse à CNN que viu o policial puxando Brown, que tentava se soltar, e então os disparos foram feitos. "O garoto finalmente consegue sair e começa a correr. Quando ele corre, o policial sai do veículo e segue atrás dele, atirando", disse Mitchell, acrescentando que Brown se virou e colocou as mãos para cima.

Outro caso. A polícia de Los Angeles investiga a morte de Ezell Ford, jovem negro de 25 anos que sofreria de transtorno mental, por um policial. A morte dele ocorreu dias depois da morte de Brown.

Segundo a versão divulgada até agora pela polícia, dois agentes de patrulha pediram na segunda-feira à noite para Ford, que caminhava sozinho pela rua no sul de Los Angeles (Califórnia), que parasse. Por motivos não revelados, o jovem e os policiais discutiram e, segundo a polícia, Ford empurrou um deles e tentou roubar sua arma, quando o outro policial disparou.

Ford foi levado ao hospital, onde morreu. O caso é investigado pela Divisão de Forças de Investigação do Departamento de Polícia e pelo escritório do promotor do distrito do condado de Los Angeles. / AP e EFE