ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sábado, 7 de dezembro de 2013

SEXTO PM CONDENADO POR MORTE DE JUÍZA

FOLHA.COM 06/12/2013 - 23h43

Justiça do Rio condena sexto PM por morte da juíza Patrícia Acioli

BRUNA FANTTI
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA, DO RIO



O Tribunal do Júri de Niterói (RJ) condenou a 36 anos de prisão o tenente da PM Daniel Benitez, acusado de arquitetar a morte da juíza Patrícia Acioli. A magistrada foi assassinada com 21 tiros em de agosto de 2011 quando chegava em casa, após sair do Fórum de São Gonçalo, na região metropolitana do Rio.

O julgamento foi encerrado na noite desta sexta-feira (6). Benitez é o primeiro oficial entre os sexto PMs condenados por envolvimento no crime. Ele foi considerado culpado por homicídio triplamente qualificado pela emboscada e pelas circunstâncias do assassinato, além de formação de quadrilha armada.

O PM já cumpria prisão preventiva há mais de um ano. Ele foi transferido para o presídio federal de Campo Grande (MS) com Claudio Luiz Silva de Oliveira, ex-comandante do Batalhão de São Gonçalo e apontado como o mandante do crime. Oliveira deve ser julgado em 20 de março de 2014. Outros quatro PMs devem enfrentar o júri em abril.

Durante o julgamento de hoje, duas testemunhas chegaram a dizer que foram ameaçadas por Benitez durante as investigações. O inspetor Ricardo Moreira chegou a chorou no plenário na hora de depor. Ele era investigador da 72º DP (São Gonçalo) na época do crime e atua hoje na Delegacia de Homicídios de Niterói.

Antes de Benitez, cinco PMs já tinham sido condenados: Carlos Maciel dos Santos foi sentenciado a 19 anos e seis meses de reclusão, Jefferson Miranda a 26 anos, Jovanis Falcão a 25 anos e seis meses, Junior Cezar Medeiros a 22 anos e seis meses e Sérgio Costa Junior a 21 anos de prisão.


Divulgação

Juíza Patrícia Acioli, que foi morta em agosto de 2011 com 21 tiros; magistrada foi assassinada quando chegava em casa