ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

POLICIAIS FEDERAIS REIVINDICAM MELHORES CONDIÇÕES DE TRABALHO

CORREIO DO POVO 04/12/2013 12:52

Marcos Koboldt / Rádio Guaíba

Policiais federais fazem mobilização em aeroporto de Porto Alegre. Servidores reivindicam melhores condições de trabalho


Policiais federais de todo País realizam mobilizações nacional nesta quarta-feira. Em Porto Alegre, o ato ocorre no Aeroporto Internacional Salgado Filho, com distribuição de material informativo. Apesar das ações, os serviços na sede da Polícia Federal estão mantidos.

A principal reivindicação da categoria é por melhores condições de trabalho que resultaram, segundo a categoria, em uma drástica redução no número de ações, segundo o dirigente da Federação Nacional dos Policiais Federais do Rio Grande do Sul, Paulo Paes.

Além da perda de funcionários na ordem de 250 por ano, Paulo Paes aponta que a precarização do trabalho na Polícia Federal já resulta em procura de informações por candidatos aos concursos públicos da instituição. Os dados apresentados pela Federação Nacional dos Policiais Federais apontam que ocorreu diminuição em torno de 90% dos indiciados por corrupção nos últimos sete anos.

A categoria reclama também da criação de mecanismos para supervisionar previamente investigações que envolvam políticos e a deflagração precoce de operações policiais consideradas rotineiras. Indiciamentos por formação de quadrilha, peculato e outros crimes também caíram.

Auditores da Receita Federal também se mobilizam

Outras categorias com mobilização nesta quarta-feira são dos auditores da Receita Federal, agentes federais e policias rodoviários que trabalham nas fronteiras do Brasil com países vizinhos. Eles cobram a regulamentação da indenização de fronteira, que prevê o pagamento de R$ 92 por dia trabalhado. Amanhã, em Uruguaiana, os auditores devem realizar planfletagem na Ponte da Paz.