ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

O RETORNO DO CORONEL. E AGRESSOR RESPONDE EM LIBERDADE

FOLHA.COM 05/12/2013 - 03h01


Coronel atacado em outubro volta a atuar em manifestação em SP


DE SÃO PAULO


O coronel da Polícia Militar Reynaldo Simões Rossi, agredido por um grupo de pessoas durante um protesto violento em outubro em São Paulo, voltou atuar em manifestações.

Ontem, ele comandou o policiamento que acompanhou um ato de sem-teto na região central.

Os manifestantes, embora em pequeno número, interromperam o trânsito no viaduto do Chá, em frente à prefeitura. O ato foi pacífico.

Em outubro, o coronel foi agredido por um grupo de manifestantes adeptos da tática "black bloc" durante um protesto organizado pelo Movimento Passe Livre.

A agressão ocorreu no terminal Parque D. Pedro, quando vândalos depredavam o local. Ele sofreu fraturas nas omoplatas, ferimentos na cabeça e escoriações no corpo.

Moacyr Lopes Junior/Folhapress

Coronel Reynaldo Simões Rossi, da PM, ao conversa com ativistas de movimento por moradias concentrados no Viaduto do Chá


Um suposto agressor foi identificado: Paulo Henrique Santiago dos Santos, 22, que chegou a ficar 13 dias preso. Ele responde processo acusado de tentativa de homicídio e associação criminosa. Sua defesa nega participação dele nas agressões ao coronel.

Um dia após deixar o hospital, Rossi disse que sua agressão não provocaria mudanças nas ações da PM.

"A solução desse problema transcende a ação de polícia", afirmou, o policial em entrevista anterior.

Ontem, Rossi não teve autorização do comando da PM para falar com a Folha.