ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

domingo, 1 de julho de 2012

PM DA RESERVA É EXECUTADO COM 6 TIROS EM PORTO ALEGRE

ZERO HORA, 02 de julho de 2012 | N° 17118 (atualizada)

MISTÉRIO EM MORTE. Policial da reserva é assassinado a tirosSem testemunhas, execução é a principal hipótese para a morte de PM - CAROLINA ROCHA 


O policial militar da reserva Antônio Roberto da Rocha Laufer, 53 anos, despediu-se da família na noite de sexta-feira. Disse que daria uma volta e que retornaria em algumas horas, mas não retornou. Só na manhã de ontem, por meio de notícias da internet, familiares souberam que Laufer havia sido assassinado.

O crime aconteceu na Rua Santo Antônio, bairro Lomba do Pinheiro, zona leste de Porto Alegre. Conforme o delegado da Polícia Civil Lauro Santos, execução é a principal hipótese investigada. No bolso, ficaram três celulares, R$ 2,4 mil e a carteira com documentos. Em razão disso, a suspeita de que ele tenha sido vítima de latrocínio (roubo com morte) foi praticamente descartada.

Na região do crime, os moradores quase não falam sobre o assunto. Um deles lembrou ter ouvido disparos antes da meia-noite.

– Eu cheguei à porta de casa e deu tempo de ver um guri descer a rua correndo. Quando eu fui até a calçada do vizinho, ele (o policial) já estava morto. Não tinha mais o que fazer – contou o homem, que pediu para não ter o nome divulgado.

Com seis tiros – no queixo, no braço esquerdo e no peito – Laufer morreu na hora.

Um rapaz de 19 anos, flagrado no Beco da Taquara com um revólver calibre 32, chegou a ser detido e levado para a Área Judiciária durante a madrugada de domingo. No entanto, como não foi reconhecido, acabou autuado em flagrante por porte de arma. Exames residuográficos e periciais na munição e na arma poderão confirmar ou descartar o envolvimento dele.

Laufer trabalhou como soldado da Brigada Militar e estava na reserva havia mais de 10 anos. Era casado, tinha quatro filhos e morava na Lomba do Pinheiro. Atualmente não estava trabalhando.