ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

terça-feira, 24 de julho de 2012

DELEGADOS VÃO AO TJ CONTRA COMPULSÓRIA

ZERO HORA 24 de julho de 2012 | N° 17140

DISCÓRDIA NA POLÍCIA. Delegados vão ao TJ contra aposentadoria

Um grupo de 18 delegados da Polícia Civil recorreu ao Tribunal de Justiça do Estado contra a decisão do governo estadual de aposentar compulsoriamente policiais civis aos 65 anos.

A lista com 20 delegados e 17 agentes foi enviada ontem pelo chefe de Polícia, delegado Ranolfo Vieira Junior, à Secretaria da Administração e dos Recursos Humanos do Estado. Enquanto a nova geração defende renovação na corporação, os veteranos afirmam que estão aptos a trabalhar. 

Os delegados atingidos pelo afastamento sofreriam perdas nos vencimentos. Por já terem tempo de aposentadoria e estarem em atividade, ganham 35% a mais no salário e outros 30% se trabalharem como substituto em mais de uma delegacia.