ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

domingo, 22 de julho de 2012

GREVE NA POLÍCIA CIVIL DE PERNAMBUCO

O ESTADO DE SÃO PAULO, 22 de julho de 2012 | 18h 23 

Polícia Civil de Pernambuco entra em greve nesta segunda-feira. Serviços essenciais ficarão mantidos; paralisação de seis mil policiais civis será por tempo indeterminado

Angela Lacerda


RECIFE - Os policiais civis de Pernambuco entram em greve a partir desta segunda-feira, 23, por tempo indeterminado. O Estado tem cerca de seis mil policiais.

A categoria reivindica reajuste salarial de 65%, adicional noturno, hora extra e melhoria nos equipamentos de segurança, entre outros pedidos.

A decisão pela greve foi tomada no dia 17, em assembleia geral da categoria.

De acordo com o Sindicato dos Policiais Civis no Estado (Sinpol PE), durante a paralisação só serão mantidos serviços considerados essenciais, como registro de flagrantes em delegacias de plantão e perícias em local de crime.