ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

TROCAR CELULAR POR CAUSA DO ATAQUE DOS HACKERS


Presidente da Associação de Oficiais da PM pede que militares troquem seus emails e celulares após ataque a site. Orientação é para entrar em contato com os bancos também. Polícia Civil está investigando o caso. Site da Alerj também foi hackeado


LUIZ ERNESTO MAGALHAES
ANA CLÁUDIA COSTA 
O GLOBO
Atualizado:16/09/13 - 14h49


RIO - Após o site da Polícia Militar do Rio de Janeiro ter sofrido ataque de hackers e informações pessoais dos policias foram divulgadas no sábado à noite, o presidente da Associação de Oficiais da Polícia Militar, coronel Fernando Belo, está orientando aos policiais que troquem seus endereços eletrônicos, o número de seus celulares e façam contato com seus bancos para evitar que mais informações vazem na rede.

A Polícia Civil divulgou na manhã desta segunda-feira uma nota informando que a Delegacia de Repressão à Crimes de Informática (DRCI) está investigando o caso. Uma fonte da delegacia informou que o site da PM e do Proeis não tinham códigos criptografados, o que facilitou a entrada de hackers no site.

Belo espera a identificação rápida da pessoa que conseguiu acessar e divulgar dados pessoais de policiais militares atavés da internet. Segundo o coronel, hoje é fácil identificar os usuários e responsáveis por meio da identificação do computador. Ele acrescentou que a associação irá oferecer ajuda jurídica aos militares que tiveram seus dados pessoais vazados na rede. A ideia é entrar com uma ação civil pública contra essas pessoas.

Hackers também invadiram site da Alerj

O site da Assembleia Legislativa do Ro de Janeiro (Alerj) foi atacado por duas vezes no fim de semana. O primeiro ataque ocorreu no início da noite de sexta-feira e o outro no sábado. O site já voltou ao normal mas os técnicos da Alerj ainda analisam se alguma informação foi adulterada. Há dez dias, o site já havia sido atacado pelo grupo Anonymus. Segundo a assessoria de imprensa da instituição, a invasão teria sido praticada pelo mesmo grupo que invadiu o site da PM no fim de semana. O procurador geral da Alerj, Harriman Araújo vai registar queixa sobre o caso na tarde desta segunda-feira na Delegacia de Repressão a Crimes de Informática (DRCI).