ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

terça-feira, 24 de setembro de 2013

AFASTADO SARGENTO QUE CRIOU "UPP DA MILÍCIA"

O DIA 24/09/2013 00:25:23

Sargento que criou a ‘UPP’ da Praça Seca é afastado. PM acusado de transportar armamento e milicianos usaria imóvel para reuniões do grupo e também hospedar paramilitares de outros bairros

JOÃO ANTONIO BARROS


Rio - Idealizador da ‘UPP da Milícia’ na Praça Seca, o sargento Ronald César Força, do Batalhão de Choque, foi afastado do policiamento de rua por ordem do comando da PM, após O DIAmostrar ontem que o policial transformou a casa da família na Rua Parintins, na Favela da Chacrinha, numa base da milícia liderada pelo ex-sargento Luiz Monteiro Doem. Ele pintou paredes e muros nas cores azul e branca — bem semelhantes aos tons usados pela Polícia Militar — e cunhou a expressão ‘UPP’ na fachada e no muro lateral da residência, em referência à Unidade de Polícia Pacificadora.


O sargento Força é investigado num Inquérito Policial Militar (IPM), aberto após investigação preliminar da Coordenadoria de Inteligência da PM, em junho. Nesta segunda-feira, ele foi novamente ouvido no processo. O agente é acusado de transportar armas e milicianos do bando de Doem e usar a casa para reuniões do grupo, além de hospedar paramilitares de outros bairros.


Atuação em protestos

Ronald Força, segundo o coronel Cláudio Costa, relações públicas da PM, vai realizar apenas serviços burocráticos enquanto durar o IPM. Ele atuava no policiamento motorizado e, inclusive, trabalhou nas ruas durante as manifestações de protesto de junho. O IPM está correndo sob sigilo e, inicialmente, tem o prazo estipulado de 40 dias para a conclusão. 


No muro e na parede de uma casa azul e branca que seria de miliciano na Praça Seca, a inscrição ‘UPP’Foto: Reprodução Internet

Outra investigação para apurar o envolvimento do sargento com as milícias da Praça Seca foi aberta ontem pelo delegado Marcus Vinícius Braga, da 28ª DP (Campinho). Ele esteve no imóvel, constatou que havia a inscrição UPP na casa e pediu o laudo técnico da perícia do Instituto de Criminalística Carlos Éboli. Ele convocou o sargento Força a prestar depoimento durante a semana e ouvirá outras testemunhas. O policial pretende também anexar as informações que constam no inquérito da PM.


A Favela da Chacrinha é uma das comunidades carentes de Jacarepaguá que são monitoradas por policiais militares desde a morte de um subtenente do Batalhão de Operações Especiais (Bope), sexta-feira. Ontem, a PM informou que localizou acampamentos e casas usados por bandidos para se refugiar na região. As operações não têm data para acabar.

Especialista: deboche ou desafio?

A instalação de uma ‘UPP informal’ na Favela da Chacrinha, na Praça Seca, foi um ‘tiro no pé dado pela milícia’, segundo o sociólogo Ignácio Cano, professor da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj) e especialista em violência urbana. Ele acredita que a visibilidade negativa dada pela manchete desta segunda do DIA vá atingir a ação do grupo. “O que eles menos querem é ser vistos. A reportagem mostrou a cara deles, que terão de lidar com a opinião pública”, opinou o especialista. O caso, segundo ele, serve para ‘lembrar da necessidade de criar uma política pública de retomada dos territórios controlados por milicianos’.

O objetivo da inscrição da sigla ‘UPP’ seria mostrar às 13 comunidades do bairro que a milícia será a responsável pela ‘pacificação’ das favelas, mesmo objetivo da polícia. Ignácio forneceu outras duas interpretações. “Não sei se é um deboche, ou se eles querem dizer que aquela área nunca será contemplada com uma UPP”, argumentou o professor. “É necessário não apenas a prisão dos chefes, mas o desmonte desses grupos”, sugeriu.