ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

POLÍCIA CIVIL QUER MAIS EXPERIENTES NAS DP EM UPPS



Preferência por novos policiais é criticada por colegas veteranos

LEONARDO VIEIRA(
O GLOBO
Atualizado:16/09/13 - 13h35

O secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, que anunciou a chegada a Polícia Civil às áreas com UPPs Gustavo Miranda / Agência O Globo


RIO - A estratégia de instalar delegacias em comunidades pacificadas, anunciada pelo secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, em entrevista a GLOBO, causou polêmica entre policiais civis. Há críticas, por exemplo, ao fato de a Secretaria de Segurança dar preferência aos novos policiais para o trabalho nas novas unidades. Segundo Beltrame, os recém-formados ainda estão "sem os vícios da guerra e da corrupção”.

Para o presidente do Sindicato dos Policiais Civis do Estado do Rio de Janeiro (Sinpol), Fernando Bandeira, a estratégia de instalar delegacias em comunides pacificadas é altamente positiva. No entanto, afirma ele, o governo do estado deveria destacar majoritariamente delegados e inspetores com experiência para essa nova função.

Bandeira informou que o sindicato tentará marcar ainda hoje uma reunião com Beltrame para expor suas propostas sobre as novas delegacias.

— Parabenizamos o secretário pela estratégia, mas achamos que o único equívoco é dar preferência aos policiais mais jovens nas novas delegacias. Quando ele (Beltrame) fala “sem os vícios da guerra e da corrupção", parece que os antigos policiais não têm prestígio — afirmou o presidente do sindicato.

Comissariado no lugar de DP

Outro ponto questionado pelos policiais descontentes é a necessidade de levar para as comunidades toda a estrutura de uma delegacia.

Para o comissário de polícia Marco Pedra, seria bem mais eficaz e econômico instalar comissariados nessas áreas — na prática, postos avançados de delegacias já existentes no asfalto.

— Construir toda uma estrutura da delegacia demandaria muito mais tempo, ao passo que um efetivo menor seria mais ágil e eficaz. Será que temos tantas ocorrências assim que não possam ser atendidas por um comissariado? — indaga ele.

Dizendo-se “favorável à política de Beltrame”, Pedra acrescenta que os registros de ocorrências e investigações também poderiam ser feitos apenas com um aparato “enxuto” de comissariado.