ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quinta-feira, 5 de setembro de 2013

QUATRO MESES DEPOIS, CARRO ROUBADO É RESGATADO DA PERÍCIA


ZERO HORA 05 de setembro de 2013 | N° 17544


Vítima vence burocracia e resgata carro roubado



Depois de quatro meses sem carro – período em que foi vítima de assaltantes e da burocracia –, a assistente financeira Liliane Cristina da Silva, 34 anos, conseguiu retirar ontem o Agile do Depósito Mauá, em Novo Hamburgo, no Vale dos Sinos. O pedido de liberação do veículo roubado em maio foi expedido pelo delegado Nauro Marques, da 1ª Delegacia da Polícia Civil de Novo Hamburgo, que solicitou uma última perícia na terça-feira.

Osuplício de Liliane foi revelado por Zero Hora no sábado. Depois de ter o carro roubado em maio e descobrir o paradeiro do veículo dias depois, ela deu início a uma peregrinação para recuperar o bem, retido no depósito porque o Agile, segundo a polícia, havia se transformado em prova de um crime.

O delegado admitiu que houve excesso de zelo da Polícia Civil.

– Segundo o perito, não havia nenhuma irregularidade no carro. Com isso, determinei a liberação do automóvel – afirmou Marques.

Conforme Liliane, o carro sofreu arranhões e teve um pneu e o estepe trocados. Nada que a deixe triste.

– Acabou a preocupação. Estou tranquila porque agora pagarei por algo que realmente estará comigo – diz Liliane.

Mesmo com o carro parado no depósito, ela continuava desembolsando R$ 1.275 mensais para quitar as prestações do Agile comprado em 2012.

Juiz só soube do pedido de liberação há três dias

Quando a Polícia Civil recuperou o carro, nove dias depois que Liliane foi assaltada, ela foi informada de que, como o veículo era prova criminal – pois havia sido usado para praticar crimes por uma quadrilha –, teria de pedir a liberação do Agile à Justiça. Segundo o juiz substituto da 3ª Vara Criminal de Novo Hamburgo, Alexandre Kosby Boeira, a tramitação equivocada do pedido de liberação do carro retardou a solução do caso.

– O caso foi registrado na Vara Cível, e não na Vara Criminal, que seria o correto. Não recebi nenhum pedido de liberação – afirmou Boeira, que ficou sabendo da situação segunda, quando recebeu ofício da Vara Cível.

Segundo o magistrado, o veículo não interessa mais ao processo, já que o carro não foi objeto de adulteração.



A PEREGRINAÇÃO DE LILIANE

- Na tarde de 6 de maio, Liliane foi assaltada em frente ao trabalho, na Rua Campina Verde, no bairro Sharlau, em São Leopoldo. Ela foi levada com o carro, um Agile ano 2012. A assistente financeira foi deixada pelos dois ladrões quilômetros depois.

- No mesmo dia, registrou boletim de ocorrência e acionou o seguro do automóvel. Em 23 de maio, quando voltou de uma viagem de férias, encontrou uma correspondência do Departamento Estadual de Trânsito (Detran) informando que o carro havia sido recuperado em uma blitz em Novo Hamburgo, em 15 de maio.

- No dia seguinte, o marido de Liliane, Flademir Luís da Silva, foi ao Depósito Mauá, em Novo Hamburgo, para retirar o carro. No local, foi informado de que deveria comparecer à 1ª DP de Novo Hamburgo.

- Ele descobriu que, como o automóvel havia sido usado em crimes por uma quadrilha, deveria acionar a Justiça para retirar o veículo. Silva entrou com processo na 4ª Vara Cível de Novo Hamburgo em 5 de junho. O carro foi liberado somente ontem.