ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

segunda-feira, 20 de maio de 2013

MORTOS EM OPERAÇÃO POLICIAL PODERÃO TER CORPOS EXUMADOS


MP admite possibilidade de exumar corpos de mortos na Favela do Rola para investigação. Promotor afirma que a medida será tomada “se puder auxiliar no esclarecimento dos fatos”

PAOLLA SERRA, DO EXTRA 
O GLOBO
Atualizado:20/05/13 - 10h29


Um dos corpos é removido de um local para outro pelos policiais na operação Foto: Reprodução de vídeo


RIO - Nove meses depois da morte de cinco homens durante uma operação da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core), na Favela do Rola, em Santa Cruz, o Ministério Público já admite a possibilidade de pedir a exumação dos corpos para ajudar nas investigações do caso. O promotor Luiz Antonio Corrêa Ayres afirmou que a medida será tomada “se puder auxiliar no esclarecimento dos fatos”.

Em nota, o promotor afirmou ao site Extra que a providência será tomada com cautela, já que o “estado de decomposição cadavérica pode eventualmente inviabilizar conclusões relevantes para o deslinde do caso.”

— Os corpos exumados podem ajudar nas diligências. Mas tudo dependerá da evolução da putrefação de cada um, que varia com o local onde foram enterrados, por exemplo. O tempo prejudica a análise de algumas provas, como as lesões em partes moles, o que inclui músculo, pele e tendões — explica a psiquiatra forense e ex-chefe do setor de necropsia do IML Talvane de Moraes.

Mortos a tiros

De acordo com o promotor, os laudos cadavéricos dos suspeitos informam que eles morreram por causa dos tiros, que atingiram órgãos vitais. “Os ferimentos foram transfixantes, ou seja, há orifícios de entrada e de saída de projéteis dos corpos examinados”, disse, em nota.

Luiz Antônio Ayres afirmou ainda, por escrito, que, segundo os documentos, “não se pode afastar nem afirmar a hipótese de que os tiros tenham sido disparados em trajetórias descendentes, de cima para baixo.”

Análise deve ser feita com prudência

O promotor Luiz Antônio Corrêa Ayres destaca que os disparos teriam atingido as costas dos jovens — o que “deve ser analisado com prudência, uma vez que o disparo pela frente, por exemplo, de um fuzil, pode fazer o corpo girar sobre o próprio eixo e um segundo disparo subsequente pode atingir a parte dorsal do corpo.”

Ex-diretor do Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE), o perito Mauro Ricart concorda:

— Uma exumação sempre traz novos elementos. É possível encontrar, inclusive, projéteis que podem levar a investigação para outro rumo, trazer nova dinâmica.

O perito legista aposentado Levi Inimá pondera:

— Em tese, a autópsia só deve ser pedida porque a necropsia foi superficial. Mas é importante porque pode determinar a posição deles.